Os vereadores do município de Itaguatins, Adonedes Queiroz de Sousa, Antonio Labre de Miranda, Claudenildo Alves da Silva, procuraram o webjornal Folha do Bico, para rebater as declarações do prefeito, Régis Melo (PSD), sobre o atraso no pagamento do funcionalismo público. Os parlamentares afirmam que o problema não tem nada haver com as emendas feitas no Orçamento de 2016.

Segundo os parlamentares, O Orçamento para 2016 é de 15.365.418.29, as emendas aprovadas não alteraram o valor do orçamento, foram apenas alocados 988 mil reais de um elemento de despesa para outro dentro do Orçamento. Não ferimos princípios constitucionais, emendas no orçamento é de competência do Legislativo. Além disso, o mês que falta o Prefeito pagar é referente a dezembro de 2015, e o orçamento de 2015 foi aprovado em 2014, as alegações do prefeito de não pagar os servidores por causa das emendas são infundadas e inviáveis, não é o mês de janeiro de 2016 que vai ser pago, por outro, as emendas não cortaram o orçamento.

“As emendas foram feitas com responsabilidades, indicando de onde os valores foram abatidos e pra onde são majorados” disse Claudenildo, que continuou “O prefeito não paga os servidores por falta de compromisso e de responsabilidade, está criando pretexto para tentar responsabilizar o legislativo pela sua má administração. A verdade é que o prefeito está perdido em sua administração, tanto é que servidores estão recebendo carta de cobrança e aviso de inclusão no SPC por atraso das parcelas do empréstimos de consignações, sendo que todos os meses a prefeitura desconta de seus salários o valor da parcela, e não está repassando mensalmente à agência bancária, e isso é crime”, afirmou.

“O não pagamento dos funcionários públicos dia 10 de janeiro, só tem um culpado, o prefeito Regis Melo, pois somente ele é o ordenador dos recursos do Município de Itaguatins. Quanto o Orçamento de 2016 encaminhado a Câmara, foi aprovado por unanimidade”, finalizou Claudenildo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.