11221293_780288222080700_164679529115874095_n

Imagine o que você faria ao se deparar com um morador de rua, faminto, sem condições adequadas de higiene, sem ajuda de familiares e com problemas de saúde? A resposta de muitos seria ignorar, mas não foi o que aconteceu com Elisângela Benício de Almeida, empresária e moradora de Palmas, movida por um sentimento de compaixão, ao se deparar com Antônio Flávio Ribeiro, 45 anos, ela decidiu ser diferente e ajudar.

A apesar de ter um nome, Antonio era anônimo para a maioria das pessoas, disposta a oferecer amparo Elisângela conseguiu reunir alguns moradores do Aureny I, local por onde o homem vagava, e juntos somaram forças para mudar as condições de vida de Antônio. Após várias tentativas sem sucesso de localizar a família, Elisângela decidiu entrar em contato com o Corpo de Bombeiros e foi ai que ele encontrou a ajuda que precisava.

Ao chegarem ao local os militares se solidarizaram com a situação de Antonio e com atitude de Elisângela, que não possuía nenhum grau de parentesco com homem que foi conduzido ao CAPS II até que a família do mesmo pudesse ser localizada. Foi então que o soldado bombeiro, João Markus da Silva Mota, que participou do atendimento, entrou em contato com alguns colegas policiais, para tentar localizar a família de Antonio. O soltado trabalha em Palmas, mas é araguatinense filho do casal João Merengue e Clélia Mota.

“Quando cheguei em casa havia uma mensagem no meu celular do major Teixeira, da polícia de Teresina – Piauí. Eu dava pulos, a felicidade era muito grande, enfim parecia possível encontrar a família de Antonio. E logo no dia seguinte um policial civil de Palmas, me ligou informando que tinha encontrado documentos com o nome da mãe e o endereço. Entrei em contato novamente com Teixeira e ele conseguiu localizar a família no Piauí. Em menos de três dias conseguimos resolver a situação de um homem que estava a dois anos nas ruas, graças a Deus e a colaboração dos bombeiros. Não há palavras para agradecer e nem expressar todo o apoio desta instituição”, explicou Elisângela.

“Desde criança minha mãe sempre me levava para ajudar pessoas, por isso escolhi ser bombeiro. Quando descobri que a família de Antonio tinha sido localizada fiquei muito feliz, talvez tenha sido a melhor coisa que fiz na vida”, descreve o soldado.

Para tentar amenizar a condição de pessoas que vivem nesta situação, Elisângela decidiu reunir assinaturas para solicitar junto ao poder público, a construção de uma Casa de Passagem na região sul da capital.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.