Anúncio da segunda fase do Terminal de Grãos do Maranhão – Tegram, tem aporte de R$ 130 milhões. Foto: Divulgação
Anúncio da segunda fase do Terminal de Grãos do Maranhão – Tegram, tem aporte de R$ 130 milhões. Foto: Divulgação

Após sanear as contas e reconduzir a Empresa Maranhense de Administração Portuária ao crescimento, o Governo do Maranhão vem retomando a capacidade de investimentos, aplicação de recursos e geração de oportunidades para o Porto do Itaqui. Esta semana marcou o início da etapa de concretização dos investimentos para o porto com o anúncio da segunda fase do Terminal de Grãos do Maranhão – Tegram, com aporte de R$ 130 milhões.

O recurso será aplicado na infraestrutura necessária à operação em mais um berço de atracação, com mais um ship-loader (carregador de navios) e ativação da nova linha que permitirá dobrar a capacidade da moega ferroviária, passando a descarregar 4 mil toneladas de grãos por hora. “Essas obras naturalmente se transformarão em geração de emprego, renda e oportunidades para milhares de pessoas em todo o Maranhão”, afirmou o governador Flávio Dino durante a cerimônia de assinatura da Ordem de Serviço, realizada no Palácio dos Leões.

Em apenas um ano de trabalho na atual gestão, a Emap superou os R$ 306 mil de lucro previstos no orçamento da gestão anterior para 2015 e atingiu lucro líquido de R$ 68,2 milhões. O trabalho focado no respeito ao dinheiro público e revisão de processos começou nos primeiros dias de 2015 e resultou em redução de R$ 32 milhões de custos operacionais e despesas administrativas em relação a 2014. Um exemplo dessa economia foi a suspensão de bônus e gratificação para a alta gestão da empresa – distribuído sem amparo legal – no valor de R$ 1,3 milhão.

Todo esse esforço tornou o Porto do Itaqui o 1º porto das regiões Norte e Nordeste e 5º do Brasil em movimentação de cargas (com 21,8 milhões de toneladas movimentadas) e o tem consolidado como fundamental para a região do Matopiba, que abrange territórios no Maranhão e estados vizinhos do Tocantins, Piauí e Bahia. A entrada de operações do Tegram em 2015 e os novos investimentos para este e o próximo ano atenderão diretamente às demandas geradas pelo Matopiba e ainda por parte do Pará, Mato Grosso e Goiás. Nesse cenário o Itaqui surge como opção estratégica para escoar a safra de soja, farelo de soja e milho de todo um território que até então escoava a maior parte da safra pelos portos do Sudeste ou Sul do Brasil.

A grandiosidade dessa fronteira e as oportunidades de investimentos serão discutidas no ‘Seminário Brasil – Japão, Investimentos na Região do Matopiba’, que debaterá o intercâmbio econômico e comercial em agricultura e alimentos. O seminário, que acontece nesta segunda-feira (29), em Palmas-TO, terá a participação da ministra Kátia Abreu, do governador Flávio Dino e todos os outros governadores da região.
Gestão arrojada

Os processos administrativos e operacionais do Porto do Itaqui foram revistos e padronizados e foi feito um trabalho junto aos operadores para a modernização dos equipamentos para carga e descarga de granéis sólidos. Os procedimentos de segurança e melhora da gestão das operações foram otimizados, o que ocasionou a redução de 52% no tempo médio de espera de navios: passando de 85h para 44h em carga geral e de 336h para 170h em granéis sólidos. Também houve melhoria no fluxo de caminhões, com a implantação de um sistema de controle de acesso ao porto garantindo mais segurança e maior produtividade.

O presidente da Emap, Ted Lago, afirma que esses resultados são fruto de um trabalho conjunto da equipe da empresa, afinada com a proposta do governo para o Maranhão, associado à participação de todos os agentes envolvidos nos negócios que movem o Porto do Itaqui. Agora a empresa está pronta para aplicar os recursos para continuar crescendo. “Esses investimentos reafirmam o nosso compromisso com resultados que possam integrar as riquezas que passam pelo porto com oportunidades para uma melhor qualidade de vida para os maranhenses.”

Aplicação de recursos próprios

Também nesta semana foi feita a assinatura da Ordem de Serviço para a obra de revitalização e urbanização do Cais de Ribamar, quando a Empresa Maranhense de Administração Portuária – EMAP, deu a largada na aplicação de recursos próprios direcionados à melhoria da infraestrutura do Porto e dos terminais delegados.

Serão quase R$ 2 milhões que serão aplicados na obra no Cais de Ribamar são parte de um total de R$ 255,5 milhões que a EMAP investirá no biênio. Os recursos serão aplicados em obras de infraestrutura dos terminais delegados – Ponta da Espera, Cujupe, Cais de Ribamar e Porto Grande –, dos berços, pátios e retroáreas, acessos, modernização da gestão (incluindo a realização de concurso público e implantação de sistema informatizado de cargas) e manutenção da área primária (zona de cais).

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.