musa_mosquito

A festa continua em Xambioá, no norte do Tocantins. Nessa segunda-feira (8), foi a vez da disputa de blocos tomar as ruas da cidade. Esse ano, três blocos usaram a criatividade para levar à avenida temas importantes como o combate ao mosquito Aedes aegypti e a corrupção.

Pouco a pouco os foliões foram aparecendo. A pé, de moto, de carro e até de carroça. O importante era chegar até a concentração dos blocos. Uma espécie de aquecimento antes de cair na folia. É o chamado esquenta.

Por isso vale quase tudo, inclusive o “ajeita-ajeita”. É o ajeitar a fantasia, uma ajeitada na coreografia e uma arrumada de leve na maquiagem.

“É sempre a hora de estar se organizando para poder seguir e para poder ganhar”, diz a porta bandeira do bloco “Bora pra onde?”, a estudante Daniele Rocha.

super

Mas em plena segunda-feira de Carnaval numa concentração, há um grupinho parado. Será cansaço ou estratégia antes de entrar na avenida?

“É descansar um pouco. Estou cansado demais. São três dias de Carnaval e vão ser cinco”, diz o técnico de enfermagem, Átilla Teixeira.

Menos mal se a parada for para recarregar a bateria. A estratégia foi boa porque quando os blocos entram na principal avenida de Xambioá, haja energia. É festa de uma ponta a outra.

Esse ano três grupos participaram do tradicional Desfile de Blocos do Carnaval. Cada um mostrando que a festa é mesmo de alegria e criatividade.

Desfile

No pelotão de frente, a turma do “DNA e os Mambiras” chegaram falando de um mosquito que está famoso: o Aedes aegypti. “Saí Pra lá Mosquito” foi o enredo.

“Estão atrás de mim, me perseguindo. Eu estou tentando matar o mosquito. Com fé em Deus nós vamos conseguir matar esse mosquito”, brinca o estudante Luiz Augusto Venâncio, que representava um mosquito no desfile.

lava_jato

E eles foram mesmo perseguidos. Havia enfermeiros e até médicos prontos para combater esse danado. A arma para acabar com o foco era mais simples, todo mundo tinha. “Muita alegria”, responde o aposentado Luiz Alves Pereira, que representava o médico do bloco.

Já “Os Danadinhos do Álcool” abordou a corrupção e a crise. Com o tema “Onde está o dinheiro?”, os foliões capricharam nas fantasias.

Tinha homens da mala preta e dinheiro para todo lado. A ala das vassouras também estava lá para tentar varrer toda a sujeira. O mensalão e a Lava Jato também foram lembrados com presidiárias animadas. Teve até uma carroça pesada com a carga tributária do país.

“Aqui são só os impostos que a gente paga sem dever. Isso é para o pessoal se alertar e caçar meio de votar certo”, recomenda o carroceiro do bloco, o folião Rodrigo Procópio da Silva.

E foi o grupo do “Bora pra onde” que encerrou o desfile. Eles levaram para a avenida a tradição do frevo. Dançarinas com a coreografia afinada e muita animação da turma do fundão, do galo da madrugada.
“Esse é o bloco da amizade. Muito bem acolhido, todo mundo muito amigo. É essa brincadeira aqui esse sentimento gostoso”, diz o folião Gabriel Sousa.

O desfile dos blocos é uma das atrações mais esperadas do Carnaval de Xambioá. Tanto que o município criou outros eventos ao longo do ano para que as pessoas se reúnam de novo.

“Estou amando isso aqui, está lindo demais. O pessoal capricha nas coisas, tem criatividade”, elogia a dona de casa, Marlúcia Santana Veloso.

Campeões

Na disputa dos blocos levou a melhor “Os danadinhos do Álcool”, que faturou o primeiro lugar com o tema da corrupção e crise. O frevo do “Bora pra onde?” levou a segunda posição. Em terceiro ficou o bloco “DNA e os Mambiras”, com enredo sobre o combate ao Aedes Aegypti. (G1)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.