Lembre-se, seu direito só vai até onde o do outro começa. Carnaval tem sido motivo e desculpas para o “pode tudo”. Só desse vez a turma dos despreocupado se deu mal. Um grupo de “foliões”, resolveu convocar de última hora, a realização de bloco alternativo em Palmas, e invadiram uma quadra comercial e residencial.

Os foliões esqueceram que no local, também existe uma série de moradores que não curtem Carnaval, e tem de trabalhar cedo no outro dia. O bloco seque tirou qualquer tipo de licença para realizar a festa.

Moradores então, se sentindo incomodados, acionaram a Polícia Militar (PM), que foi até o local resolver a situação. Só que chegando ao ambiente que fica na Quadra 104 Sul, por volta das 1h30, os militares tentaram uma intervenção verbal, mas não foram atendidos e acabaram sendo hostilizados com agressões físicas e verbais. A Pm ainda alega que houve depredação de patrimônio público.

“A PM solicitou reforço no intuito de conter a injusta agressão e desobstruir a via, garantindo o direito constitucional de ir e vir das demais pessoas, bem como fazer cessar a injusta agressão sofrida”, disse a PM por meio de nota. A polícia informou ainda que se deslocou ao local porque recebeu diversas ligações sobre som alto e obstrução na via pública no local. A PM finalizou informando que foram utilizados meios de forma moderados contra os foliões. A via foi desobstruída e os envolvidos na ilegalidade orientados a não reincidir na prática delituosa.

O outro lado

Um estabelecimento comercial, que fica em frente de onde os foliões se reuniram, lamentou e repudiou a ação da Polícia Militar. “As pessoas que estavam na rua organizaram o encontro de forma independente, visto que o bar não estava em seu horário de funcionamento. Durante os dois dias em que o bar funcionou com sua programação de carnaval não se presenciaram brigas ou ações que desrespeitarem as pessoas ali presentes.

“Eles me disseram que avisaram todo mundo [para sair do local], mas não avisaram nada. As pessoas começaram a correr, eu me assustei e comecei a correr junto. Depois que percebi o que estava acontecendo, fui conversar e perguntar o porquê da atitude. Simplesmente me deram um tiro”, contou o empresário Felipe Couto estava na festa.

A festa de Carnaval estava ocorrendo no mesmo local onde um bloco havia sido organizado no último domingo (11) pelo bar. Porém, desta vez não havia uma organização oficial.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.