Sem títuloEm Parauapebas, no sudoeste do Pará, um grupo de camponesas ligadas ao Movimento Sem Terra (MST) impediu o acesso de trabalhadores de uma mineradora às minas de Serra dos Carajás nesta terça-feira (8). Em nota, a Vale declarou que respeita e valoriza o direito constitucional de livre manifestação pacífica.

Segundo o coordenador do MST no Pará, Ulisses Manaças, as manifestantes seguiam em uma passeata pacífica pelo Dia Internacional da Mulher e se concentraram na portaria da mineradora que dá acesso a Serra dos Carajás para protestar contra os crimes ambientais quando foram reprimidas pela Polícia Militar, que lançou bombas de efeito moral para dispersar o grupo.

Ainda de acordo com Manaças, a manifestação se encerrou no início da tarde, e algumas participantes do movimento foram detidas pela PM. A portaria da mina de ferro foi liberada.

Em nota, a vela declarou que “desde o dia 5 de novembro, quando houve o acidente na barragem da Samarco, em Mariana, a empresa está concentrada em oferecer total apoio às ações de remediação e medidas de recuperação social, ambiental e econômica das regiões atingidas nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo. Da mesma forma, a Vale participou ativamente da elaboração do acordo assinado com o Governo Federal no último dia 2 de março. Mais uma vez, a empresa informa que não medirá esforços para continuar apoiando as ações emergenciais que vêm sendo conduzidas pela Samarco nestas localidades, bem como ajudar na recuperação ambiental do Rio Doce.”

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.