Após uma reunião entre representantes do governo Estadual e do Sindicato dos Profissionais da Enfermagem no Estado (Seet), o secretário de Administração, Geferson Barros, foi agredido quando saia do prédio por um dos manifestantes, na noite de ontem.

Segundo nota da Secretaria de Comunicação do Estado (Secom), divulgada por meio do WhatsApp, o secretário estaria saindo do prédio quando foi cercado pelos manifestantes.  “Foi xingado e coagido covardemente!!! Teve dificuldades para entrar no carro. O veículo foi cercado e os manifestantes deram socos e pontapés, amassando o carro”, diz a nota.

Ainda segundo a nota, diretores do sindicato teriam intervindo e Barros conseguiu sair do local. O secretário, após registrar uma Boletim de Ocorrência (B.O), pediu reforços na segurança do prédio. “O governo do Tocantins repudia esse ato insano e de selvageria de parte dos grevistas e tomará as medidas cabíveis para identificar e punir os responsáveis! ”, finaliza a nota.

Ocorrência

Conforme registrado no B.O, o episódio aconteceu por volta das 21h. O veículo que Barros usaria para sair do prédio, um carro de serviço do governo, teria sido cercado por cerca de 60 manifestantes.

Segundo informa o boletim, o secretário teria tentado fechar a porta do veículo, mas não conseguiu devido aos manifestantes “que estavam bastante exaltados”. Ainda de acordo com o B.O, a confusão terminou somente quando dois representantes do Seet, que estavam na reunião, chegaram e convenceram o grupo a sair.

Seet

O presidente do Seet, Claudean Pereira Lima, disse que o sindicato repudia qualquer tipo de conduta violenta, mas que é solidário aos manifestantes. “Com certeza eles (os manifestantes) não saíram de casa com essa ideia, foi no calor do momento”, esclarece, ao afirmar que a classe se encontra em uma situação financeira complicada devido à falta de propostas que atendam as demandas reais dos enfermeiros. (Jornal do Tocantins)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.