Com forte impulso dos interesses da China, começa a sair do papel, no Brasil, uma série de projetos de transportes que deverão encurtar a rota entre a produção agrícola no interior do País e a Ásia, pelos portos da região Norte. Nos últimos meses, iniciativas em hidrovias, rodovias e ferrovias registraram avanço para a abertura da chamada saída Norte, ou Arco Norte, que poderá, segundo a Confederação Nacional da Agricultura (CNA), reduzir em mais de 30% o custo do frete da produção enviada ao exterior.

A lógica econômica da abertura do Arco Norte está no fato de os portos serem mais próximos de EUA, Europa e Ásia. No próximo dia 31, haverá um leilão de áreas de portos no Pará, pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq). Entre os terminais que serão leiloados, estão áreas para transporte de vegetais vindos do interior.

Os projetos procuram conectar, por meio de rodovias, ferrovias ou hidrovias, a produção do Centro-Oeste aos portos do Norte. Um desses projetos é o derrocamento do Pedral do Lourenço, no Rio Tocantins, cujo edital foi lançado há 1 mês. “Com o derrocamento, o rio será navegável durante todo o ano. Esse projeto era esperado há mais de uma década pelo Pará”, explicou o ministro dos Portos, Helder Barbalho. A hidrovia, quando perene, tende a ser mais barata e menos poluente do que outros modais. “Enquanto a ferrovia Norte-Sul não chega a Barcarena, essa pode ser a alternativa de ligação entre o ponto atual da ferrovia e Marabá, onde estão os portos”, disse Helder.

Licitação

A abertura da hidrovia do Tocantins representará uma redução significativa dos fretes do agronegócio daqui a 5 anos, quando a obra deve ficar pronta. O custo é estimado em R$ 560 milhões. A licitação já apontou um vencedor para elaboração de projetos, a DTA Engenharia, e a fase atual é de análise dos documentos da empresa. O governo levou ainda a audiências públicas, em fevereiro, a concessão do trecho da BR-163 entre Sinop (MT) e Miritituba (PA), de onde os grãos podem partir em hidrovia até o exterior. O valor estimado da concessão é de R$ 6,6 bilhões. Também foi anunciado para este ano o leilão da ferrovia entre Lucas do Rio Verde (MT) e Miritituba, com previsão de investimentos de R$ 9,9 bilhões. Segundo o ministro Helder, essas iniciativas representam um avanço logístico, aumentando a atratividade dos terminais portuários do Norte.

PROJETOS LOGÍSTICOS

Ferrovia Norte-Sul

Os trechos entre Açailândia e Barcarena e entre Estrela d’Oeste e Goiânia ainda não foram licitados

Hidrovias

Enquanto a ferrovia Norte-Sul não chega a Barcarena, a hidrovia do Tocantins pode ser uma alternativa para ter acesso aos portos da região Norte. O edital de derrocamento (retirada de rochas do fundo do leito) do Pedral do Lourenço foi lançado em fevereiro.

Ferrogrão

Com previsão de investimentos de R$ 9,9 bilhões, a ferrovia liga Lucas do Rio Verde (MT) e Miritituba (PA) e vai correr em paralelo à BR-163. O leilão deve ser este ano.

Rodovias

BR-163 / o trecho entre Sinop (MT) e Miritituba (PA): com valor estimado de R$ 6,6 bilhões, a concessão desse trecho já teve audiências públicas. Produtores de soja reclamam do teto previsto para as tarifas de pedágio. De Miritituba e Santarém, a conexão para o litoral pode ser feita por hidrovias. (Diário do Pará, com a Agência O Globo)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.