Parentes de um gerente executivo do Bradesco foram feitos de refém nessa segunda-feira (17), em Imperatriz. A ação criminosa aconteceu durante a madrugada, sendo que os parentes do gerente foram liberados por volta das 9h da manhã.

Sob a ameaça dos criminosos, o gerente do banco tentou retirar dinheiro na agência bancária da Bernardo Sayão, nas primeiras horas da manhã. A tentativa no entanto, foi frustrada, pois as máquinas têm horários programados para saques.

A direção do banco estranhou a atitude e chamou a polícia, que logo percebeu que tratava de um crime conhecido como “sapatinho”. Os bandidos fizeram a mulher do gerente, a filha de dois anos e um cunhado de reféns. A família foi pega de refém durante a madrugada, no momento em que o cunhado chegava em casa.

Ele foi rendido por quatro homens, que entraram na residência, levaram a esposa e a filha. O gerente ficou na casa juntamente com um assaltante, que o levou já durante a manhã até ao banco para que levasse todo o dinheiro dos caixas eletrônicos. A família foi usada como tentativa de extorquir dinheiro do gerente.

O gerente, ao chegar ao banco com um dos criminosos, e tentar fazer o saque, um dispositivo da caixa emitiu um sinal para a Central do Bradesco, que acionou a polícia. O titular da delegacia de roubos e furtos, delegado Vital Rodrigues passou a negociar com um dos sequestradores por telefone.

O que os bandidos não contavam é que o celular do gerente e do cunhado dele, que eram usados para fazer contato, tinham um aplicativo que permitia saber a localização do aparelho. Dessa forma, a polícia passou a ter noção de onde os sequestradores poderiam estar. Espertos, os criminosos ao perceberem a movimentação, descartaram o aparelho.

Após as negociações, os assaltantes resolveram liberar os familiares sem nenhum pagamento. A liberação foi realizada no Conjunto Nova Vitória, na saída da cidade. A polícia já identificou o local onde as quatro pessoas ficaram mantidos em cativeiro.

O caso foi repassado para Delegacia Especializada no combate a roubos a bancos. A polícia vai colher os depoimentos das vítimas, que ainda estão muito abaladas, para dar sequências às investigações. (iMirante)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.