A mexicana Edelmira Cárdenas nunca conseguiu esquecer sua primeira relação sexual.

Ainda adolescente, ela foi sedada por um primo mais velho e posteriormente violentada.

“Meu corpo ficou mole, mas eu estava consciente”, relembra ela à BBC Mundo, o serviço em espanhol da BBC.

“E aconteceu comigo o que acontece com a maioria que sofre abuso sexual; o agressor foi alguém próximo”, completa.

Trauma

As estatísticas embasam a afirmação de Edelmira.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), pelo menos uma em cada cinco mulheres já foi vítima de estupro e mais da metade delas conhecia o agressor.

“Ele dizia que me amava, era parte da família e fiquei totalmente traumatizada”, diz.

“Perdi minha virgindade, meu selo de garantia, já que não era mais ‘digna de matrimônio'”, acrescenta.

Edelmira nunca se atreveu a contar a ninguém o que passou.

Recuperação

Tampouco disse ao primeiro namorado, com quem começou a sair quando tinha 18 anos, que havia sido violentada .

“Ele morava do outro lado do país, por isso era difícil termos contato físico”, explica.

“Nos comunicávamos por cartas, aí sim, cheias de erotismo, que faziam minha imaginação voar”, lembra.

Quando estavam juntos, o casal decorava o ambiente com velas e flores. Foi assim que Edelmira se permitiu a voltar, pouco a pouco, a ter desejo.

“Mas não lhe deixava tocar meu corpo”, ressalva.

E ela também se autoimpunha uma proibição: “Não me permitia ter prazer”.

Nesse tempo, começou a trabalhar no governo de seu Estado natal, porque queria se dedicar a políticas sociais.

“Ali me deparei com o assédio sexual, o que me fez lembrar de quando fui estuprada, e outra vez me obriguei a adormecer minha sexualidade”, relata a mexicana, hoje sexóloga e comunicadora.

Mas Edelmira continuou mergulhada na literatura erótica, lendo sobre o feminismo e dando assistência a mulheres que haviam passado por situação parecida à dela.

Rosas e aromas

Com seu segundo namorado, aos 20 anos, as carícias deram lugar a outras coisas.

“Quando tivemos nossa primeira relação sexual completa foi diferente, pois ele usou palavras bonitas, pétalas de rosas e aromas, dissipando meus medos”, lembra.

Edelmira ressalva que não tomou a iniciativa pois não queria que ele acreditasse que ela “tinha experiência”.

“Não queria que ele me perguntasse: ‘Quem te ensinou isso?’, diz.

Ela acrescenta, contudo, que a reconciliação com seu próprio prazer sexual começou quando passou a se masturbar.

“É que, apesar de tudo, nunca havia tido um orgasmo”, diz.

Rejeição

Luz Jaimes, médica, terapeuta sexual e secretária da Federação Latino-americana de Sociedades de Sexologia e Educação Sexual, diz ter conhecido muitas histórias como a de Edelmira.

“Os casos de mulheres com disfunções sexuais que buscam nosso apoio depois de serem violentadas são mais frequentes do se imagina”, diz ela.

“A maior parte das pacientes que nos procura imediatamente após o ocorrido costuma ser geralmente adolescentes”, explica.

“Mas também nos pedem ajuda mulheres adultas com dificuldades para ter relações sexuais, e, durante a terapia, descobrimos que foram violentadas em algum momento de suas vidas”, acrescenta.

Segundo especialistas, a literatura e o cinema de cunho erótico podem ser ferramentas importantes para recuperar a sexualidade após um estupro.

Luz diz que essas mulheres precisam de psicoterapia, além de apoio do entorno. O tratamento, assinala a especialista, depende do impacto da experiência sobre as vítimas.

“A maioria sofre de transtornos físicos, pesadelos, falta de desejo; algumas sentem dor durante as relações ou não tem orgasmos, outras rejeitam qualquer situação sexual, ou reagem de maneira agressiva porque não podem manifestar seu mal-estar”, enumera.

“Mas nem todas demonstram sentimentos de culpa, ou inibições com o sexo; e outras tendem à hipersexualização”, diz.

‘Meu corpo de volta’

Pavan Amara foi vítima de abuso sexual durante a adolescência. Já adulta, fundou no Reino Unido o projeto My Body Back (‘Meu corpo de volta’, em tradução livre).

A iniciativa conta com clínicas que oferecem exames a mulheres que sofreram abuso sexual e não querem ir ao ginecologista, além de unidades de maternidade especializadas e grupos de leitura.

Mas Amara também se interessa por trabalhar outro campo para melhorar a vida de quem passou por essa experiência ruim: o sexo.

Ela diz que uma mulher britânica de 43 anos ─ violentada por seu padrasto desde os oito anos ─ contou em uma das sessões que tenta controlar sua mente enquanto faz sexo para evitar ter um flashback.

“Durante todo o processo, tenho medo de que as lembranças voltem e preciso controlar o vômito. Por causa disso, é impossível alcançar o orgasmo”, diz.

Mas nem todas as vítimas de estupro desenvolvem inibição ou rejeição aos momentos íntimos.

O processo de Sandy, de 41 anos, violentada por um amigo, foi muito diferente.

Após o ocorrido, ela começou a ter sexo “com todos os homens que podia”.

“Para se ter uma ideia, uma vez fui ao supermercado comprar algo para jantar. E acabei fazendo sexo com o rapaz do caixa no mesmo dia. Não satisfeita, consegui o telefone do cara que estava colocando os produtos nas prateleiras. Liguei para ele no dia seguinte e fomos para a cama”, completa.

Café e vibradores

Faz dois anos que Amara conheceu o Sh! Women’s Erotic Emporium, uma sex shop de Londres exclusiva para mulheres. O local ajuda aquelas que têm disfunções sexuais a superar os seus traumas.

“Ela nos enviou uma carta lindíssima, nos encontramos com ela e planejamos novas maneiras de ajudar as sobreviventes de violência sexual”, conta a dona do local, Renée Denyer.

A partir de então, a cada seis semanas, é organizado um evento chamado Café V, dedicado a mulheres vítimas de abusos que já recebem terapia profissional e que estão preparadas para explorar o sexo novamente.

“São reuniões nas quais falamos de lubrificação, de anatomia, nas quais elas praticam o sexo com uma réplica (dos genitais)…Trata-se de reaprender o contato sexual, e sentir-se sexual e sensual”, explica.

As reuniões contam com 25 pessoas e sempre estão cheias.

“Em relação aos conselhos que damos, depende do estado da vítima”, afirma.

É oferecido, por exemplo, um kit de dilatação, composto por vibradores de vários tamanhos, o menor equivalente à unha de um dedo mindinho.

“(O kit) Ajuda a relaxar a vagina, e o objetivo é que a mulher volte a desfrutar da penetração”, diz.

Mas outras preferem começar assistindo a DVDs, ou consumindo literatura erótica, como Eldemira Cárdenas.

“A questão é ter seu corpo de volta e reconstruir-se como mulher”, conclui Edelmira.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.