Em reunião ocorrida na noite desta segunda-feira, 18 de maio, a Executiva Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) do Tocantins, julgou e decidiu pela expulsão dos prefeitos Fransergio Alves Rocha do município de Riachinho e Professor Albina de Esperantina.

A motivação da expulsão é a infidelidade partidária, infração prevista na Resolução nº 13/2014, que dispõe sobre a atuação do partido concernente à infidelidade. Estes prefeitos não seguiram as orientações do partido nas eleições de 2014, apoiando candidaturas opositoras à decisão do PT, homologada em Convenção Estadual. Nesta ocasião, estes prefeitos, manifestaram apoio a candidatos a deputado estadual e federal, além de governador e senador da coligação de oposição.

Atualmente, o PT está avaliando mais doze processos disciplinares contra vice-prefeitos, vereadores, ex-prefeitos e outras lideranças, pelo mesmo motivo.

Com a expulsão destes, o PT conta agora com quatro prefeitos no Estado: Assilon Soares Filho (Arapoema), Ezequiel Guimarães (Couto Magalhães), José Santana (Colinas), José Rodrigues da Silva (Aliança do Tocantins).

O presidente Estadual do PT do Tocantins, Júlio César Brasil, lembra que o partido tem princípios que norteiam as condutas de seus membros. “O Partido vive um momento em que o seu rumo está sendo rediscutido. Para continuarmos fazendo as mudanças que o Brasil precisa, o PT precisa valorizar a sua história, sua origem. E, a fidelidade é um dos princípios indispensáveis”. Afirma o presidente.

Vale lembrar que apesar do PT ter incluído o prefeito Bina, no processo, o mesmo já havia se desfiliado da legenda e ingressado no PRB, a convite do deputado federal César Halum.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.