DSC_0393

Na tarde desta quinta-feira, 21, a Secretaria Municipal da Mulher juntamente com a assistente social do Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF), Kalline Pinheiro promoveram aos educandos do Colégio Dom Orione, uma palestra sobre a Sexualidade e Gravidez na Adolescência. No encontro fora discutido várias questões sobre a sexualidade como, atração sexual, sintomas sinais e sensações sobre a gravidez, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, dentre outros.

A palestra propiciou a apreensão de informações adequadas e atualizadas do ponto de vista científico e, ao promover discussões e reflexões sobre sexualidade, contribuiu para que os alunos desenvolvam atitudes saudáveis e responsáveis. A precocidade da iniciação sexual entre os jovens e a curiosidade decorrente da própria idade em relação à sexualidade, na maioria das vezes requer um dialógo mais informal para trabalhar esse tema complexo com os adolescentes.

A gravidez na adolescência no decorrer dos anos vem acontecendo cada vez mais cedo, abrangendo diferentes faixas etárias, contribuindo para que os índices aumentem a cada dia. Não distante da nossa realidade, o município de Tocantinópolis está entre os que o mais possuem casos de gravidez na adolescência. Dessa forma, as instituições educacionais em parceria com os órgãos municipais vem estabelecendo uma relação educativa e social para a promoção de esclarecimentos referendados sobre as questões sexuais, gravidez na adolescência, abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes, dentre outros.

Segundo a exposição da assistente social, Kalline Pinheiro, a sexualidade é uma das dimensões do ser humano que além dos aspectos reprodutivos e emocionais, envolve também elementos sócio-histórico-culturais. Ela pode ser expressa em pensamentos, atitudes e nas relações afetivas e sexuais. A relação sexual é apenas uma das formas de expressão da sexualidade e a adolescência é o momento em que a sua experimentação tem início.

A adolescência é um período caracterizado por mudanças físicas, psicológicas e sociais na vida do adolescente que se encontra repleto de dúvidas e inseguranças. O despreparo inicial dos adolescentes para compreender e desfrutar de sua sexualidade, o seu sentimento ilusório de proteção e poder sobre a vida, a sua dificuldade em tomar decisões e a necessidade de ser aceito pelo outro, são características que os tornam extremamente vulneráveis a comportamentos sexuais de risco. Segundo parecer do Ministério da Saúde (2000), o estado de vulnerabilidade dos adolescentes a comportamentos sexuais de risco envolve diversas dimensões.

Ainda com relação à gravidez na adolescência, foi observado que quando ocorrem juntas, podem acarretar sérias consequências para todos os familiares, mas principalmente para os adolescentes envolvidos, pois trazem crises e conflitos. O que acontece é que esses jovens não estão preparados emocionalmente e nem mesmo financeiramente para assumir tamanha responsabilidade, fazendo com que muitos adolescentes saiam de casa, cometam abortos, deixem os estudos ou abandonem as crianças sem saber o que fazer ou fugindo da própria realidade.

Outro caso bastante preocupante é as doenças sexualmente transmissíveis, as quais os jovens adolescentes podem contrair durante as relações sexuais sem o uso devido do preservativo (camisinha). A falta de tratamento precoce pode causar problemas sérios como infertilidade. Algumas doenças sexualmente transmissíveis podem passar para o bebê durante o parto ou gravidez. E estes são fatos muito preocupantes na sociedade, pois trazem sérias consequências para a vida dos pais adolescentes, da criança e de todos os familiares. Por isso, é uma questão que deve ser levada a sério.

Na ocasião se fizeram presentes, a secretária da Mulher, Clemilda Borges; a assistente social, Kalline Pinheiro, a secretária executiva da secretaria da Mulher, Cristiane Rosa; o assessor de Comunicação, Dirceu Leno e alunos e professores da instituição. (Dirceu Leno)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.