A rodovia Transamazônica, no sudoeste do Pará, foi liberada na tarde desta quarta-feira (20) após três dias de protesto. O acesso ao Sítio Pimental, um dos principais canteiros de obras da Usina Hidrelétrica Belo Monte, em Vitória do Xingu, ficou bloqueado durante a manifestação de cerca de 500 agricultores, que reivindicam a regularização fundiária, crédito e melhorias para agricultura familiar em 10 municípios da região do Xingu, como a extensão do projeto “Luz para Todos”. Segundo informações do Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM), os trabalhadores já começaram a ser convocados para retornar aos canteiros. A intenção é que 100% da produção seja retomada ainda durante esta tarde.

Os trabalhadores rurais iniciaram a ocupação dos acessos aos canteiros da usina na última segunda-feira (18), quando chegaram a fechar o km 27, bloqueando o acesso ao Sítio Canais e Diques e Pimental; km 40 que leva ao Sítio Belo Monte; e km 55 por onde se chega também ao Sítio Pimental e à vila residencial, onde moram 7.200 pessoas. Na noite da última terça-feira (19), a ocupação dos km 40 e 55 foi foram desfeitas.

A Norte Energia, empresa responsável pela construção e operação da usina, teve a área e o escritório no bairro Jatobá, em Altamira, ocupados desde segunda-feira (18), e informou que as demandas dos manifestantes não têm relação com as obras.

Em reunião entre os manifestantes e representantes do Governo Federal, ficou acertado que uma comissão de agricultores irá a Brasília na semana que vem para negociar melhorias para os trabalhadores rurais da região do Xingu.

Atropelamento e ameaça

Três pessoas foram atropeladas na noite da última segunda-feira (18), no km 55, e duas morreram. O motorista de um carro de passeio que estava na rodovia avançou sobre os manifestantes e atingiu Leidiane Drosdoski Machado, de 27 anos, que morreu na hora, e Daniel Vilanova Dias, de 41 anos, que chegou a ser levado para o Hospital Municipal de Altamira, mas não resistiu aos ferimentos. Um adolescente de 13 anos que vendia picolés no local ficou gravemente ferido e está internado, mas não corre risco de morrer.

Segundo os agricultores, depois de atropelar as três pessoas, o motorista ainda teria feito ameaças com uma arma. Logo em seguida, o suspeito também teria incendiado o carro e fugido na garupa de uma moto. Na manhã de terça (18), as ferragens do carro incendiado teriam desaparecido local. O superintendente regional da Polícia Civil, Rodrigo Leão, afirmou que o responsável pelo atropelamento, ainda não identificado, vai responder pelo crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Leidiane Drosdoski Machado foi enterrada na manhã desta quarta (20), e o velório de Daniel Vilanova Dias teve início nesta tarde.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.