214835.jpg900

A equipe da Secretaria de Defesa e Proteção Social (Sedeps) visitaram, no último final de semana, as unidades prisionais dos municípios de Augustinópolis, Araguatins, Tocantinópolis e Wanderlândia. A agenda fez parte da estratégia de conhecer os principais desafios dos gestores das unidades, bem como as estruturas e os projetos de ressocialização locais.  A produção de artesanato e  a plantação de hortaliças são as principais atividades laborais desenvolvidas atualmente pelos reeducandos.

Os trabalhos desenvolvidos em Wanderlândia, sob a coordenação do chefe da unidade, Francisco Noleto, chama atenção pelo envolvimento da comunidade. Com apoio dos moradores e do Poder Judiciário, os reeducandos mantêm um cultivo variado de frutas e hortaliças.  Os reeducandos Wesley Silva, de 23 anos, e Valdeci Santana, de 40 anos, são os responsáveis pelo cuidado com as plantações. “Queremos que a comunidade veja que podemos ser úteis por meio do nosso trabalho”,  afirmou Santana.

Para Wesley, os profissionais que trabalham na unidade acreditam na ressocialização. “Quando sair daqui quero ser lutador de MMA (lutas de artes marciais mistas) e sonho em competir profissionalmente”, destacou o jovem, que com apoio dos servidores, por meio do trabalho realizado na horta e de seus familiares está montando uma pequena academia para treinamento no local.

Para a secretária da pasta, Gleidy Braga, o sistema penitenciário no Tocantins possui muitos desafios a serem superados, no entanto, iniciativas como essa, que acontece em Wanderlândia,  mostram que é possível com  criatividade e gestão desenvolver projetos sociais com os reeducandos. “Os recursos nunca serão suficientes para solucionar todos os problemas, por isso é importante fazermos as parcerias contarmos com o envolvimento da comunidade,” concluiu Gleidy.

Ação Viva Mulher

A equipe participou, ainda, no último dia 16, da Ação Viva Mulher, realizada no município de Esperantina e organizada pelo Fórum Estadual de Mulheres do Campo, da Floresta e das Águas, em parceria com a Sedeps. Por meio da  unidade móvel de prevenção e combate à violência doméstica, a equipe multidisciplinar levou atendimento individual e sigiloso, esclarecimentos em rodas de conversas sobre direitos das mulheres e Lei Maria da Penha e orientações sobre como e onde buscar ajuda e proteção a vítimas de violência.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.