Foto-4_Gilson-Teixeira_17-05-2016-Reunião-com-a-Peroxidos-Brasil-4

O governador Flávio Dino recebeu executivos da empresa Peróxidos do Brasil na tarde desta terça-feira (17), no Palácio dos Leões, para formalizar apoio institucional aos investimentos da organização na implantação de uma indústria de peróxido de hidrogênio em Imperatriz. Com um projeto de cerca de R$ 40 milhões, o empreendimento vai fornecer insumos para a Suzano Celulose e implantará uma unidade no Maranhão para dar maior viabilidade ao abastecimento da matéria-prima.

O governador Flávio Dino deu boas-vindas aos executivos da empresa, líder do mercado de peróxido de hidrogênio na América do Sul, e destacou que o Governo mantém relação transparente e acolhedora com todos os empreendimentos que visem trazer investimentos e desenvolvimento ao Maranhão. “A gente busca assegurar condições institucionais, infraestrutura básica e condições normativas. Eventualmente algum tipo de indução, de apoio, e sempre com essa perspectiva de procurar potencializar ao máximo os efeitos produtivos do Estado”, ressaltou.

De acordo com Flávio Dino, o Governo tem incentivado as empresas que se instalam no Maranhão a cumprir um papel de responsabilidade social. Neste caso, a Peróxidos Brasil vai construir duas Escolas Dignas no estado. “São ações que tem efeito simbólico e embora a responsabilidade social de qualquer empresa seja empreender, gerar emprego e pagar tributos, mas esse acessório tem importância para gente. Por isso que colocamos questões como mão de obra, de escolas, certa atenção para os fornecedores locais, porque consideramos que é o nosso papel”, enfatizou.

O secretário de Indústria e Comércio, Simplício Araújo, explicou que esse investimento é importante para o adensamento da cadeia produtiva do Maranhão, pois ele agrega a questão social. “Eles vão contribuir com o Programa Mais Produtivo, que é um programa que trabalha o fortalecimento dos fornecedores e dos serviços e produtos do Estado, para que a gente possa ter a força para reversão dos produtos que nós importamos de outros estados, fortalecendo os nossos fornecedores”, reiterou Simplício.

Para o CEO da Peróxidos do Brasil, Carlos Silveira, a reunião com o governador Flávio Dino foi importante no sentido de assegurar as relações institucionais do empreendimento. Ele explicou que o investimento já está aprovado, e se encontra atualmente no processo de solicitação de licenças prévias de instalação. “O processo de engenharia estando concluído, a gente começa a compra dos equipamentos dos serviços, muitos deles que serão feitos aqui na região. Em outubro de 2017 começamos a produzir efetivamente peróxido de hidrogênio em Imperatriz”, anunciou o CEO.

Carlos Silveira reiterou que o investimento de mais de R$ 40 milhões é uma conveniência transacional, sustentabilidade e redução de riscos, já que a empresa faz mais de mil viagens de Curitiba a Imperatriz, por ano, para abastecer a fabrica de celulose da Suzano. Além disso, tem a questão fundamental de fortalecimento da economia maranhense, pois “nós vamos precisar empregar gente local para fazer a construção, e depois da operação concreta da fábrica e toda a cadeia de valor ligada a essa operação, que sejam serviços diretos e indiretos, terão que ser necessariamente contratados localmente”.

Também participaram da reunião o secretário de Estado de Trabalho e Economia Solidária, Julião Amim, e os diretores comercial e de relações institucionais, Carlos Couto e Marcelo Perracini, respectivamente.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.