A safra de grãos no Tocantins registra queda de 28,2% no comparativo com o último ano, conforme atesta o 8º levantamento da safra 2015/2016 da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), divulgado ontem. A produção caiu de 4,2 milhões de toneladas para 3 milhões, uma queda absoluta de 1,1 milhão de toneladas. Segundo o superintendente da Conab no Tocantins, Jalbas Manduca, a causa na redução da safra este ano é a adversidade climática em função do fenômeno El niño, que aumenta o volume de chuvas na região Sul e prolonga o período de seca na região Norte do País.

Entre os três principais produtos da agricultura no Estado (soja, milho e arroz) – que representam 99% da produção de grãos -, a soja (sequeiro) foi o que sofreu o maior impacto, pois apesar de crescimento de 3,5% na área plantada, teve uma baixa de 33,7% na produtividade (kg/ha) e, consequentemente, 31,4% de queda na produção, caindo de 2,3 milhões de toneladas para 1,5 milhão.

O segundo produto mais atingido pela escassez de chuva foi o milho, principalmente a segunda safra, puxado pela redução na área plantada (-47,5%) a produção registrou queda de 54,8%. “Isso, porque com a demora da chuva reduziu-se a janela de plantio e muitos produtores ficaram inseguros em plantar”, explicou Manduca. O arroz foi o menos atingido, já que a maior produção do grão, no Estado, é irrigada e não sofreu tanto a falta de chuva. Segundo a Conab, o arroz teve aumento de área plantada de 5,4%, com uma queda de menos de 1% (0,8%) na produção, no entanto a produtividade registrou baixa de 5,9%.

Brasil

No Brasil, a produção passa a ser de 202,4 milhões de toneladas – queda de 2,5% ou 5,3 milhões de toneladas em relação à safra 2014/2015 (207,7 milhões de toneladas). A queda é puxada principalmente pelo milho segunda safra, fortemente afetado pela seca do mês de abril. A expectativa é de uma produção de 52,9 milhões de toneladas – 3,1% a menos que os 54,6 milhões de toneladas da safra 2014/2015. (Jornal do Tocantins)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.