Teve início nesta segunda-feira, 22, no Fórum de Augustinópolis, o 1º Mutirão de Audiências Criminais da Comarca, prosseguindo até sexta-feira, dia 26. A ação que prevê a realização de 550 (quinhentos e cinquenta) audiências, é resultado de articulação do juiz de direito titular

da Comarca, dr. Jefferson Ramos com apoio do Núcleo de Apoio às Comarcas, (Nacom), e conta com a participação de mais três magistrados, promotores e defensores de justiça, além de advogados e outros auxiliares do Poder Judiciário.

Tal necessidade se justifica, segundo o juiz titular da comarca, em razão do aumento dos processos de crimes de menor potencial ofensivo. “Mesmo com esta iniciativa ainda não é capaz de diminuir a demanda e suprir toda necessidade, em vista da litigiosidade que é grande”, esclarece o magistrado, acrescentando que esta sobrecarga de processo não é exclusividade da Comarca local e nem do Tocantins. “O judiciário do país sofre com a carga excessiva de processos”, ponderou.

Para o promotor de Justiça, dr. Paulo Sergio, a iniciativa é de grande importância, tendo em vista que fará chegar soluções litigiosas com mais celeridade à população da região do Bico. “No primeiro dia os resultados foram muito bons com grandes resultados”, disse o promotor. A representante da Defensoria Pública, Drª Karla Leticia de Araújo Nogueira, avalia o Mutirão de Justiça, como uma maneira ágil e eficaz de resolver problemas de menor gravidade social e ofensivo. “Alguns destes conflitos já foram até mesmo resolvidos, e não tem razão para virar um processo”, indicou.

Participarão das audiências os juízes Manoel de faria Neto, Jordan Jardim e o Rodrigo da Silva Perez Araújo. Os promotores de Justiça,  Paulo Sergio Almeida Ferreira, Celcimar Custódio, Elison de Sousa Medrado e o Delcio Gueirado. Das Defensoras Públicaa, Karla Leticia de Araújo Nogueira, Viviane Lucia Costa e Maria Sonia Barbosa.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.