10641169_500518950114586_6343577111934429165_n

Nossa equipe de reportagem teve acesso exclusivo ao interior da Cadeia Pública de Augustinópolis, neste final de semana, e verificou a situação caótica e de completo abandono que vive a comunidade carcerária, instalada no local. Além da sujeira e falta de instalações adequadas, o ponto que mais tem sido alvo de reclamação dos detentos é a alimentação, que já foi tema de reclamação e protestos em março deste ano.

Em conversa com nossa reportagem, os presos informaram que a comida servida na Unidade Prisional é estragada, sem tempero e mal preparada. O detento Vagner Silva Sousa confirmou a informação.  “A comida tem vindo estragada, feijão azedo, salada vencida. Quando chega aqui e abrimos a comida, o mau cheiro logo sobe. Sempre quando é carne de porco vem só o coro e pelos”, disse.

Cardápio do dia: Arroz branco, pescoço de galinha e feijão
Cardápio do dia: Arroz branco, pescoço de galinha e feijão

Os presos informaram que já haviam reclamado sobre o fato anteriormente e que o diretor do presídio, José Antônio, sempre tenta ajudar procurando o fornecedor dos alimentos para cobrar melhoras, só que nada é resolvido. Os detentos disseram que até o juiz, Jeferson David Azevedo Ramos, foi acionado para ver de perto a situação e mesmo assim o fornecedor não atendeu o pedido do juiz. “Agora imagine vocês, se nem um juiz eles respeitam, não sabemos mais a quem recorrer”, falou um reeducando.

Outro detendo, Magno Pereira Lima, disse que a comida é péssima. “Eles tem tratado a gente aqui como porcos. Na hora do lanche, o cuscuz tem vindo até com pedaço de osso e cabelo. O leite e o café vem completamente aguado. Nós sabemos que cometemos erros lá fora, mas estamos pagando por isso. Não podemos ser tratados como lixo”, afirmou Magno.

1234827_500796106753537_2981534429761351144_n

Outra reclamação dos reeducandos é sobre a água para beber e para banhar. “Ficamos constrangidos quando recebemos as visitas aqui. Para o banho é fornecido apenas 30 minutos de água para que todos banhem, são quase 80 homens. E para beber é da torneira”, contou um detento.

Tivemos acesso exclusivo a marmita servida aos presos na sexta-feira, dia 19. Na embalagem só havia arroz branco, um pescoço de frango e feijão servido separadamente.

A empresa responsável pelo fornecimento dos alimentos é a Vogue Alimentação e Nutrição LTDA – ME, empresa com sede em Aparecida de Goiânia, contratada para fornecer o desjejum, almoço e jantar, em todas as Unidades Prisionais do estado do Tocantins. Em Augustinópolis a Vogue terceirizou a serviço para o Demetriu’s Pizzaria e Restaurante.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.