fredson gouveia

O Sindicato dos Servidores da Educação de Araguatins (Sinsea) e Gestão Municipal 2013/2016, além de manter diálogo constante, já firmaram acordo para o pagamento em data fixa do servidor da educação municipal no início da gestão atual, porém esta ainda não conseguiu cumprir esse acordo, causando um grande desgaste emocional aos servidores como: ansiedade, angústia, constrangimento frente aos credores, decepção… Principal motivo da paralisação dos servidores da Educação municipal neste dia 16/06/2016.

Talvez a gestão compreenda que o Sinsea se dispor ao diálogo, seja concordar com todas as suas justificativas sem lógica do atraso salarial como: defeito no único computador que faz as operações para a realização do pagamento, falta de energia no quarteirão da Prefeitura, atraso na entrega da folha de pagamento, esta última a mais utilizada,  entre outras.  E espere o pagamento do salário, para o dia mais conveniente à gestão.

Todos nós trabalhadores sabemos do transtorno que o atraso salarial provoca em nosso planejamento financeiro. Imagine isso se repetindo mês a mês ao longo de três anos. É triste e lamentável constatar que isso está sendo considerado insignicante pela nossa secretária de Educação Municipal, quando esta, caracteriza de arbitrária (um capricho, sem razão, sem lógica, injusta), a paralisação dos servidores da educação.

Injusto é esperar que nos humilhemos para atender um direito que é nosso, só porque está aberta ao diálogo, o que é muito importante, porém, não é o bastante, tendo em vista que abertura ao diálogo não cumpre com nossos compromissos financeiros acordados para o dia 10 de cada mês.

Queremos é PAGAMENTO NA DATA CERTA, há anos definida. Desculpem nossos estimados alunos e pais, mas tolerância tem limite. E no dia 16/06/2016, o Sinsea foi intolerante à angústia da espera de mais um dos vários atrasos salariais cometidos nessa gestão.

FREDSON GOUVEIA
Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Educação de Araguatins

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.