Sem título

Uma grávida de gêmeos está com um dos bebês mortos dentro da barriga desde a última sexta-feira (10) e espera atendimento no Hospital Dona Regina, em Palmas. Além disso, as gestantes também reclamam da estrutura do hospital e da higiene. Parentes de pacientes relataram que algumas mulheres dormiram em cadeiras e até no chão, e que baratas foram encontradas em alguns quartos. Veja no vídeo acima.

Parentes gravaram vídeos na madrugada desta terça-feira (14), mostrando pacientes que estavam dormindo no chão e outras que haviam perdido o bebê por falta de atendimento.

A dona de casa Lindaura de Jesus é irmã da mulher que perdeu um dos gêmeos. Ela contou que ela e a irmã passaram a noite em uma cadeira. “Ela foi atendida, mas já amanheceu e nenhum médico veio para nos dizer o que será feito”, relatou.

Outra reclamação constante e da falta de vagas na UTI. O bebê da dona de casa Alessandra Marinho nasceu prematuro e com problemas de respiração no domingo (12). “Eu quero que eles me deem uma solução, eu fui ver como ele está e não melhora nada no quadro de saúde dele”.

O Hospital e Maternidade Dona Regina é referência na região norte do país e recebe pacientes de vários estados. De acordo com a Secretaria de Saúde, em 2015 foram feitos 5.600 partos e esse ano mais 2 mil foram realizados.

Resposta

Em nota, a Secretaria de Saúde informou que todas as pacientes que buscaram o serviço foram acomodadas na unidade, atendidas e estão tendo acompanhamento da equipe. O hospital não orienta que pacientes ou acompanhantes se acomodem no chão e busca o mais rápido possível acomodá-los assim que dão entrada na unidade.

A secretaria informa ainda, que paciente pode aguardar até 40 horas no procedimento de indução e caso não haja evolução é submetida a uma cesariana. O hospital realiza em média sete cesarianas diariamente e conta com dimensionamento de recursos humanos adequado para atender a quem busca pelo serviço.
De domingo, 12, até as 11 horas desta terça-feira, 14, a unidade registrou 317 atendimentos, 28 partos normais e 16 cesareanas. (G1)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.