igreja assembleia de deus vila tocantins

Membros da Igreja Assembleia de Deus, Ministério CIADSETA, no povoado Vila Tocantins, município de Esperantina, procuraram a redação do webjornal Folha do Bico, para protestar contra a atitude de oito obreiros e um vereador, que segundo os fiéis estariam fazendo falsas acusações e caluniando o pastor Elizel dos Santos Lima.

Os fiéis dizem que na quarta-feira, 15, um representante da Convenção CIADSETA, pastor Augusto Morais, presidente do campo de Bernardo Sayão, se deslocou até Vila Tocantins para comandar uma reunião na igreja, onde os obreiros Sebastião Venerando de Sousa, Raimundo Almeida Alves, Romão Leônidas da Silva, Deusdeth Araújo Silva, Joatam  Venerando Nogueira, Valdeci Santana de Freitas Galvão, Josenias Venerando Nogueira, Ronaldo Sousa Silva e o vereador Domingos Rodrigues da Silva, fizeram várias acusações infundadas contra o pastor Elizel do Santos Lima, entre elas o de destruir a igreja e escravizar fiéis.

O grupo de fiéis alega também, que os membros da igreja, não tiveram oportunidade de omitirem suas opiniões sobre o assunto e que nenhuma prova foi apresentada pelos obreiros e pelo vereador.

“O ministério evangélico de Vila Tocantins foi criado há quase 20 anos, sempre ouve esta panelinha de obreiro fazendo alegações falsas aos pastores que adentrava para pastorear. O pastor Elisiel Lima foi encaminhado pela a convenção no dia 11 de janeiro de 2014, ele recebeu a igreja sucateada e com dividas, a mesma foi arrumada e quitada a dívida”, disse o fiel Marcos Eduardo Ferreira, que continuou, “O ministério evangélico há uma constituição elaborada mediante a presença de todos e lida pelo diácono e vereador, Domingos Rodrigues, que também está registrada por assinaturas de participação e aprovação do estatuto do ministério de Vila Tocantins, a qual eles alegam que não viram”, finalizou.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.