img-20160709-wa0004_-_copia

Armas de fogo foram apreendidas pela Polícia Civil na área do Projeto de Assentamento da fazenda Itacaiúnas, em Marabá, sudeste do Pará. Segundo o balanço da ação divulgado nesta segunda-feira (11), a busca foi realizada em cinco imóveis instalados dentro da área de ocupação. Durante o procedimento policial, foi apreendida uma pistola e duas espingardas calibre 20. Duas pessoas foram presas em flagrante por porte ilegal das armas de fogo e depois liberadas mediante pagamento de fiança. A operação foi coordenada pelo delegado Alexandre Nascimento, titular da Delegacia de Conflitos Agrários de Marabá (Deca).

Segundo o policial civil, a ação policial foi decorrente de denúncias de furto e abate ilegal de gado feitas por representantes de duas fazendas (Montanha e Barão Vermelho), localizadas no entorno da fazenda Itacaiúnas.

Diante da denúncia, a equipe policial da Deca se deslocou, no último sábado (9), até a fazenda Itacaiúnas, na zona rural de Marabá, de posse de mandados de busca e apreensão, para tentar localizar armas de fogo e possíveis indícios da prática criminosa nas casas, onde residem cinco suspeitos de envolvimento nos crimes. Durante as diligências, explica o delegado, os imóveis foram abordados pelos policiais, para uma busca. Em dois deles, onde mora uma líder da ocupação, os policiais civis apreenderam as três armas de fogo.

Na casa foram apreendidas as duas espingardas. Além das armas, foram encontrados, dentro de um refrigerador cerca de 30 quilos de carne bovina. Uma amostra da carne foi apreendida para passar por exames períciais para se constatar o abate e o corte ilegais. O delegado instaurou inquérito policial para apurar o furto e morte do gado. A fazenda Itacaiúvas foi invadida há mais de dez anos, porém só em 2013 os ocupantes se instalaram com casas na área. Atualmente, o terreno da fazenda está em trâmite de desapropriação para reforma agrária.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.