Após duas semanas de intensa correria no cenário local provocada por uma briga quase que pessoal entre Iderval Silva e Amélio Cayres, que acabou resvalando em Antônio do Bar que perdeu o comando do PSDB municipal, as coisas parece que se acalmaram ( será?).

Na ânsia de fazer o maior número de prefeitos pensando em 2018, Amélio Cayres anda metendo os pés pelas mãos.

O caso que mais acentua a falta de habilidade política do Deputado ocorreu em Augustinópolis, reduto político de sua família.

Em uma decisão quase que monocrática Amélio Cayres tirou as chances de Iderval Silva ser o candidato a prefeito da família, mostrando que sua visão quanto a política anda muito reduzida, vejamos: Iderval Silva era o único do grupo com chances reais de chegar à prefeitura de Augustinópolis, já que a atual prefeita não disputará o cargo,  com isso Amélio faria o prefeito, e de quebra tirava um concorrente para as eleições estaduais, no caso Iderval, mataria dois coelhos com uma cajadada só.

Mas como diz ditado popular, quem não sabe assar queima,  Amélio não soube assar, acabou por queimar a maior  chance que tinha de fazer o prefeito da terceira maior cidade da região, uma perda considerável.

Inviabilizando junto ao grupo a candidatura de Iderval, o deputado acaba por entregar a prefeitura nas mãos de sua rival.

Com a negativa dos Cayres em apoiar sua candidatura, Iderval toma outros rumos e declara apoio a  Carmem Alcântara, também já pensando em 2018.

Com a declaração de apoio a Carmem Alcântara feita por Iderval, O deputado Amélio Cayres mostrou que não nasceu mesmo para a política, ao buscar junto ao senador Vicentinho a destituição da comissão provisória do PR tirando o partido das mãos de Iderval deu o pontapé inicial a sua iminente derrocada.

Com o PR em mãos, teve por alguns dias a ilusão que havia se fortalecido, ledo engano, a reação de Iderval contrariou todo senso comum ao trazer para si a comissão provisória do PSDB, partido que estava a 14 anos com a família Cayres levou ao enfraquecimento a base política de Antônio do Bar, irmão de Amélio, ex prefeito e marido da atual prefeita.

Amélio está se mostrando um neófito político, os anos que passou prefeito na cidade de Esperantina e os dois mandatos que tem como deputado não estão rendendo frutos, as últimas ações do deputado denunciam isso.

Com a base de Antônio do Bar fragilizada, as chances de Amélio em ter o apoio do prefeito de Augustinópolis em 2018 reduziram para quase zero.

Aos poucos Amélio vai cavando sua sepultura política, caminhando a passos largos para o ostracismo.

Em 2018 não terá a sorte que teve em 2014, onde Iderval Silva desistiu e Manoel Queiroz doente não foi às ruas pedir voto, fatores que foram determinantes para a grande votação que obteve.

Com Iderval e Queiroz buscando voltar à assembléia, os olhos que Amélio manteve fechados durante as patéticas negociações que fez nos últimos meses devem se abrir, de outro modo, a vaca vai pro brejo.

Keops Mota agredido na rua Tiradentes

Autor: Keops Mota, microempresário e morador de Augustinópolis.

 

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.