dfa9650c98032a5e3fe09ff138cbc0c1_L

Na sexta-feira, 1, a Prefeitura Municipal inaugurou o Hospital Geral de Parauapebas (HGP) Manoel Evaldo Benevides Alves. A programação contou com apresentações culturais, cerimônia com pronunciamentos oficiais, descerramento da placa, desenlace da fita e finalizado com uma visita nas principais alas do hospital.

Histórico da obra

De acordo com Lemoel Gonçalves, conselheiro de saúde em 2006/2007, o planejamento da obra do novo hospital público de Parauapebas foi iniciado em 2006, mas as obras só iniciaram em 2007. “A construção de um novo hospital era um anseio da nossa população, ficamos muito felizes com a notícia e o conselho de saúde acompanhou de perto toda a concepção do projeto, porém, observamos desde o início da obra, diferenças entre o planejado e o executado”, informou Lemoel Gonçalves.

Em 2008 foi contratada a empresa Multisul Engenharia Ltda para realizar as obras do Hospital com valor de R$ 8.683.139,35, no prazo de 12 meses, porém, em razão da necessidade de se realizar adequações ao projeto inicial e alterações na sua execução, as obras foram paralisadas.

Posteriormente, em janeiro de 2011, a empresa Decol Engenharia e Comércio Ltda foi contratada para continuar a obra. Entre 2007 e 2012, foram realizados 10 aditivos ao contrato inicial de construção do hospital e investidos mais de 50 milhões de reais só na estrutura física, e ainda assim a obra não foi entregue nas datas previstas.

A equipe que assumiu a obra a partir de 2013 identificou diversas inadequações no projeto básico e na própria construção. Na época, os alunos da turma de engenharia civil da UFPA, realizaram uma visita técnica na obra, conduzidos pelo professor Manoel Perez, e identificaram várias falhas.

“Quando estive na obra desse hospital em 2013, com meus alunos, calculei que apenas 15% do projeto havia sido executado, era mais prático ter derrubado a estrutura. Constatamos vários problemas como colunas construídas no meio de corredores, espaço inadequado para os elevadores, falta de necrotério, entre outros”, informou Manoel Perez.

“Continuar essa obra foi um grande desafio, do lado político era melhor ter desistido, mas olhando a necessidade desse hospital para a saúde do nosso município decidi encarar essa árdua tarefa de concluir a obra e entregar para a população”, destacou o prefeito Valmir Mariano.

Todo o processo de acabamento da obra, acompanhado dos ajustes estruturais necessários, foram realizados a partir da retomada das obras do hospital, em 2014, viabilizado por meio de um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), assinado entre a Prefeitura e o Ministério Público (MP).

“Como havíamos recebido a obra com 10 aditivos, o Tribunal de Contas impediu a continuidade dos trabalhos, que só foram retomados a partir da assinatura do TAC com o Ministério Público. Somos muito gratos por esse apoio da instituição, principalmente do promotor Hélio Rubens, sem essa intervenção do MP seria impossível realizarmos o sonho da nossa população e entregar este hospital”, frisou Valmir Mariano.

Entre 2013 e 2016 foram investidos mais de 13 milhões de reais na estrutura física do hospital, para realizar os 85% restante da obra civil. Além disso, neste período, foram adquiridos mais equipamentos, mobiliário e aparelhos, totalizando o investimento do hospital em cerca de 100 milhões de reais.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.