Foto2-Elias Oliveira-Governo do Tocantins

A Fundação Dr. Rubem Cunha, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), encerraram os atendimentos oftalmológicos de estudantes por meio do Projeto Caravana da Visão, realizado no Bico do Papagaio, nos municípios de Araguatins, Buriti, Augustinópolis e Praia Norte.

Na oportunidade foi disponibilizado um consultório móvel, com todos os equipamentos necessários para a realização dos exames oftalmológicos. Na primeira etapa, que aconteceu no mês de maio, mais de 1.500 estudantes de escolas estaduais e municipais foram avaliados e, na segunda, que aconteceu no final de junho, em torno de 674 foram identificados com problemas de visão, realizaram consultas oftalmológicas e receberam óculos.  

De acordo com a gerente de Desenvolvimento do Ensino Médio da Seduc, Maristélia Alves dos Santos, a experiência em atender os alunos mostra o comprometimento da secretaria com o bom desempenho dos estudantes em salas de aulas. “Entendemos que a situação de baixa visão é algo que contribuiu com a evasão escolar e o baixo desempenho em salas de aula. Essas são duas situações que queremos combater”, disse.

Na rotina da caravana, Maristélia destacou o envolvimento dos profissionais e a preocupação com a saúde dos estudantes, além do pedido para que a caravana se estendesse para mais regiões do Estado. “Muitos alunos não tinham condições financeiras de ir a uma consulta particular, comprar óculos, ou ser encaminhado para um tratamento. Foi gratificante ver toda a equipe envolvida para um único fim: saúde e bem-estar das pessoas”, disse.

Entenda

O objetivo do projeto era fazer exames oftalmológicos gratuitos em estudantes da Rede Pública de Ensino nos municípios de Araguatins, Buriti, Augustinópolis e Praia Norte. Os alunos que foram selecionados e indicados com problemas de visão receberam óculos gratuitos e, no caso de doenças oculares, foram encaminhados para o devido tratamento.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.