IMG-20160705-WA0918

Revolta e decepção são os sentimentos demonstrados pelos servidores públicos estaduais durante uma concentração em frente ao Palácio Araguaia na tarde de ontem com o objetivo de pressionar para que o governo conceda o retroativo da data-base de 2015 e o índice deste ano. Durante entrevista, após a entrega de viaturas para o Corpo de Bombeiros Militar (CBM) – confira matéria na página 6 -, também na tarde de ontem, o governador Marcelo Miranda foi categórico ao dizer que as negociações já estão sendo feitas pelo Grupo Gestor e destacou que o governo tem investido em outros setores como saúde, educação e infraestrutura. Como benefício aos servidores, Miranda anunciou que o pagamento deste mês vai ser feito na sexta-feira, dia 8.

Ao afirmar seu respeito pelos servidores, o governador chamou à compreensão sobre a situação das contas públicas estaduais. “Temos que pensar tudo dentro do orçamento e do planejamento e hoje temos diversas demandas necessárias para continuar com o nosso desejo de trabalhar em prol da nossa gente”, destacou.

Manifestação

Durante a manifestação, que não teve a presença de representantes do governo, as palavras de ordem foram de “greve já!” e “data-base já”. Os sindicatos reafirmaram a intenção de realizar assembleias gerais até 4 de agosto para, caso não haja resposta do governo, seja deflagrada greve geral.

A administradora, Patrícia Alcântara, do Quadro-Geral da Secretaria de Educação, Juventude e Esportes (Seduc) ressaltou que o servidor está se sentindo abandonado pela gestão, o que tem refletido nas repartições públicas. “O sentimento geral é de revolta. Nós já estávamos sofrendo no governo anterior e acreditávamos que este iria ser diferente, mas só nos resta a decepção”, desabafou a servidora.

Nos discursos, os sindicalistas lembraram os reajustes dos bens de consumo e a finalidade da data-base: reposicionar o salário conforme a inflação. (Jornal do Tocantins)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.