rafael_ribeiroEm audiência realizada nesta terça-feira (11), os advogados de defesa de Rafael da Silva Ribeiro, acusado de ter matado duas mulheres e escondido os corpos das vítimas no quintal de casa, anexou ao caso a alegação de que o preso sofre de problemas mentais. A estratégia busca amenizar a pena sobre Rafael, detido em Breu Branco, sudeste do Pará, em maio deste ano. Deve ser divulgado dentro de 40 dias se Rafael vai ou não a júri popular.

Os corpos das duas mulheres estavam enterrados no terreno da casa onde Rafael vivia com uma das vítimas. Elas foram esquartejadas e o coração de uma das vítimas, assim como outros pedaços de carne e sangue humanos, foram encontrados dentro da geladeira da residência onde vivia o assassino confesso. Os detalhes do caso chocaram a população da cidade.

De acordo com as investigações, pedaços das coxas das vítimas estavam em sacos plásticos armanezados no congelador. Uma garrafa com cerca de 2 litros de sangue também estava na geladeira. Segundo a polícia, em depoimento, Rafael negou o consumo de carne humana, mas a polícia diz que há vários indícios da prática e que não descarta a possibilidade de canibalismo.

Crimes bárbaros

A primeira vítima, Joana Cristina Soares da Silva, de 50 anos, era companheira do suspeito, e desapareceu em abril deste ano. A segunda vítima, Maria Zélia Ribeiro dos Santos, 46 anos, desapareceu em maio. De acordo com testemunhas, Maria foi vista em um bar da cidade acompanhada do suspeito. Foi a partir dessa informação que a polícia chegou até Rafael.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.