620x250escO Ministério Público Estadual pediu a inclusão do deputado estadual Eduardo Siqueira Campos na ação que pede a condenação de ex-gestores do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos do Tocantins (Igeprev). A ação foi proposta em junho, mas só agora o nome do deputado foi incluído. Deste modo cinco pessoas foram denunciadas por suspeita de práticas que prejudicaram as finanças do instituto.

As investigações do MPE mostraram que o problema financeiro no Igeprev começou quando o concelho de administração mudou a política de investimentos. O órgão passou a aplicar dinheiro em fundos privados sem garantia de que teria lucro.

Essa alteração aconteceu em 2012, quando Eduardo Siqueira Campos era presidente do conselho de administração. Foi durante a gestão dele que o superintendente Edson Santana Matos, conforme o MPE, resgatou dinheiro de bancos para aplicar em fundos privados sem observar as recomendações do Ministério da Previdência Social, Conselho Monetário Nacional (CMN) e Banco Central (BC).

Aplicações

Uma das aplicações foi feita em uma agência de viagens relacionada ao doleiro Alberto Youssef e causou um dano de mais de R$ 12.599.593,59 para o instituto. Segundo o promotor Adriano Neves, o deputado praticou atos de improbidade administrativa. Consta no processo que Eduardo Siqueira Campos não foi incluído na primeira ação porque não era o responsável direto pela aplicação nos fundos. Mas o promotor afirma que ignorá-lo é “aceitar a política da avestruz ou teoria da cegueira deliberada, na qual o agente finge não enxergar a licitude da procedência de bens, direitos e valores com intuito de auferir vantagens.”

Isso porque foi Eduardo Siqueira Campos, que indicou os gestores denunciados: Edson Santana, Rogério Vilas Boas, Gustavo Furtado e Lúcio Mascarenhas. A ação também pede que os bens do deputado sejam bloqueados no mesmo valor dos danos aos cofres públicos.
O deputado foi procurado e disse, em nota, que não autorizou, não foi consultado e nem teve conhecimento sobre os critérios de escolha para as aplicações do Igeprev. Segundo ele, isso era feito pelo diretor financeiro do órgão.

Já o ex-presidente do Igeprev Lúcio Mascarenhas disse por telefone que só vai se manifestar depois que tiver acesso ao processo. Entretanto, afirmou que só fez investimentos em fundos autorizados pelo BC e pela comissão de valores imobiliários.

Por sua vez, Rogério Vilas Boas disse que todas as aplicações durante sua gestão na presidência do instituto foram feitas dentro da lei e em instituições financeiras autorizadas. Gustavo Furtado e Edson Santana Matos foram procurados na tarde deste sábado (1º), mas não retornaram as ligações. (G1)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.