Adriana dos Santos e Gustavo Brito continuam desaparecidos
Adriana dos Santos e Gustavo Brito continuam desaparecidos

A mãe do bebê Gustavo Alessandro Silva Brito, de 1 ano e 8 meses, desaparecido em um naufrágio no último domingo (9), tentou salvar a criança durante o acidente. As informações são da família da jovem e foram dadas nesta terça-feira (11). Parentes contaram que Viviane da Silva Campos, de 19 anos, tentou nadar e segurar o filho pelo máximo de tempo possivel, mas como a correnteza estava forte, Gustavo foi levado pela água. O naufrágio aconteceu no rio Tocantins, em Esperantina, norte do estado.

Conforme a família, como era noite, Viviane não conseguiu encontrar o bebê e só ouviu a gritaria das pessoas que tentavam se salvar. Segundo a irmã da jovem, Vanessa da Silva, ela quase não fala. “Está em choque”, explica. Os parentes têm esperanças de que a criança seja encontrada com vida.

Além do bebê, Adriana dos Santos de 18 anos também desapareceu. Ela é uma amiga próxima de Viviane. Segundo o Corpo de Bombeiros de Araguaína, seis pessoas estavam na embarcação, e quatro delas conseguiram se salvar.

Adriana estava com uma mochila nas costas no momento em que o barco afundou, o que pode ter dificultado o socorro, conforme a corporação. Ela é natural de Marabá, mas vive em Esperantina.

Buscas

Os Bombeiros informaram que duas equipes estão no rio Tocantins na manhã desta terça-feira realizando as buscas, e que uma terceira equipe da corporação, de Marabá (PA), foi solicitada para o local. A Marinha Brasileira no estado também auxilia a procura pelos desparecidos.

Entenda

O naufrágio foi registrado por volta das 20h48 de domingo (9). Segundo relatos das quatro vítimas aos Bombeiros, o barco onde os seis estavam começou a encher de água e afundar. Apavorados, todos pularam da embarcação, alguns sabiam nadar e conseguiram se salvar, outros foram socorridos por barqueiros que passavam. (g1)

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.