comercio-110315_1426102475

Dados de uma pesquisa realizada pela Federação do Comércio do Pará (Fecomércio) apontam que o número de paraenses inadimplentes chega a mais de 30%. De acordo com o estudo, de janeiro a agosto de 2015, o número de pessoas endividadas passou de 14,3 % para 30,90% e, deste total, cerca de 11,7 % não têm condições de pagar a conta no próximo mês.

“A maior parte dos consumidores se endivida mais por causa do cartão de crédito. Cerca de 90% dessa taxa de endividamento é cartão de crédito, mas também tem carnê, cheque especial, crédito pessoal, consignado, financiamento de carro e imóvel, mas a maioria é por meio de cartão de crédito”, explica a economista do Fecomércio, Lúcia Cristina Lisboa.

A autônoma Andreza Dória vende bebidas, customiza sandálias e ainda mantem uma barraca na feira com o marido, mas mesmo com essas três fontes de renda. todo mês ela não consegue pagar as contas antes do vencimento. “A minha renda não é tão baixa, mas para o padrão que a gente tenta manter, se torna um pouquinho apertado, pois na minha casa moram seis pessoas”, relata a autônoma.

O economista Nélio Bordalo avaliou a situação de Andreza Dória e afirmou que ela precisa controlas as dívidas e tentar ver onde ela pode reduzir essas despesas.

“Tudo o que ela tem que fazer é pagar o valor total porque os juros do cartão é de 16% e, ao ano, chega a quase 300%. O cartão favorece porque ele lista quais foram as contas que você fez, fazendo com que você tire essa informação para uma planilha. Então, com essa situação dela identificar mês a mês essas despesas, tem controlar e ver onde ela pode reduzir essas despesas e começar a ter uma melhora nesses orçamentos domésticos”, explica o economista Nélio Bordalo.

“Depois dessas orientações e a crise que nós estamos passando vou tentar e, na próxima oportunidade, não vai ter tudo isso de dívida mais”, declara autônoma.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.