imageO deputado estadual Mauro Carlesse (PTB), que está preso preventivamente desde a última sexta-feira na Assembleia Legislativa (AL), afirmou nesta terça-feira, 4, em entrevista  que não tem condições de pagar o valor de R$ 50 mil mensais a sua ex-esposa. Carlesse está preso em seu gabinete, na sede da AL, após cumprimento de mandado de prisão, resultado de processo que corre na Justiça referente ao pagamento de pensão a sua ex-esposa.

“Essa pensão de R$ 50 mil reais foi um exagero com relação ao meu salário”, afirmou o deputado estadual, acrescentando: “Eu não tenho outra fonte de renda, além do meu salário”. Carlesse disse ainda que seus advogados estão trabalhando para tentar reverter o caso.

Após receber uma autorização judicial, o deputado participou na manhã de hoje, da primeira sessão ordinária depois do recesso parlamentar.

Decisão

A decisão pela prisão foi expedida pela Segunda Vara Cível da Comarca de Barueri, Estado de São Paulo, conforme informações da assessoria do parlamentar. Carlesse argumenta que o pagamento da pensão está em dia. “Fui pego de surpresa, mas estou aqui para cumprir a lei porque ela (a lei) deve ser cumprida”, destacou. Uma pessoa que trabalha com o parlamentar enviou ao JTo uma cópia do comprovante de pagamento de Carlesse referente ao mês de julho. No documento está demonstrado o desconto de R$5.656,82 no salário mensal relativo à pensão que, segundo o parlamentar, tem como destinatário a ex-esposa.

A reportagem apurou que Carlesse e a ex-companheira divergem sobre o valor da pensão. A Justiça teria entendido que o valor de R$ 50 mil mensais seria o ideal, conforme a demanda da ex-esposa. O parlamentar não negou esta situação, mas não confirmou a versão sob o argumento de que o processo corre em segredo de Justiça. A reportagem não conseguiu o contato da ex-esposa para que ela pudesse comentar o assunto. (Jornal do Tocantins, colaborou Aline Sêne)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.