anderson-de-araujo320x260Fugiu da cadeia pública de Xambioá, na madrugada de sábado, 15, Anderson de Araújo Souza, um dos acusados pelo assassinato de Isabel Pereira da Silva.

A professora foi encontrada morta em um terreno baldio no centro de Xambioá, com sinais de violência. O crime correu no dia 28 de junho de 2009.

No dia 11 de junho deste ano, Anderson foi a júri popular que o julgou culpado e o juiz José Eustáquio de Melo Júnior proferiu a sentença de 28 anos de prisão por homicídio e estupro.

De acordo com informações extraoficiais, quem cuidava da cadeia no momento da fuga era Wagner Mendes da Silva também acusado de participar do crime. Wagner foi condenado a 15 anos pela morte e mais sete por estupro no mesmo juri popular.

Outros condenados

No mesmo julgamento, também foram condenados Roseli Francisco Alves da Silva e Sérgio Mendes da Silva por participarem da barbárie.

Roseli foi condenada a 15 anos pela morte e mais sete por estupro. Sérgio foi condenado a sete anos e seis meses de prisão por estupro e absolvido pelo crime de homicídio. Este último, que era casado com a vítima, foi apontado nas investigações como o responsável por planejar o assassinado de Isabel.

Mentores do assassinato

Os mentores do assassinato de Isabel devem ser julgados ainda neste ano. Contudo, de acordo com Celma Barbosa, irmã da professora, o segundo veredito ainda não tem data marcada.

Conforme Celma, o Ministério Público Estadual (MPE) informou que processo, que investiga o homicídio, foi dividido em dois momentos. “O primeiro momento aconteceu com a condenação de Sérgio, Anderson,  Wagner e Roseli. Neste novo serão julgados os mentores, agenciadores e financiadores, ou seja, Ronaldo Espindola Silva, Jenner Santiago (sobrinho da ex-prefeita Ione Leite), Clênio Rocha (ex-vice prefeito de Xambioá) e Wilmar Leite (esposo da ex-prefeita Ione Leite). (Portal CT)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.