_MG_1777

Visitando e conversando com funcionários de empresas privadas, junto com o candidato a vice-prefeito, Batista Capixaba e com a presença de Paulo Sidnei, o candidato a prefeito de Araguaína, pela coligação O Novo tem Força, Olyntho Neto, apresentou suas propostas e respondeu à perguntas sobre segurança pública, trânsito e economia. Ao lado de Olyntho, Paulo Sidnei também conversou com os colaboradores das empresas, falando da sua experiência em gestão pública e apresentando Olyntho como “a melhor opção para Araguaína.”

“Vim pedir o voto pra esse rapaz porque eu acredito que ele é o mais capacitado para administrar nossa cidade. Ele é um jovem  que já provou sua competência. É trabalhador e honesto e é dessa sinceridade, desse comprometimento que nos estamos precisando”, argumentou Paulo Sidnei. Ele completou falando aos trabalhadores “gestor não precisa somente fazer asfalto, mas precisa saber como estão nossas crianças, nossos idosos, nossos jovens, a população em geral. Será que nossa gente está feliz?. Assim o gestor público precisa saber”.

Olyntho falou sobre suas propostas, lembrou que abriu não do auxílio moradia a que tem direito na Assembléia Legislativa  e também do seu salário de deputado quando pediu licença para se candidatar a prefeito de Araguaína. “Pra vocês terem idéia de como eu defendo a moralidade no serviço público, eu abri mão de algo que os deputados têm direito, o auxilio moradia, por achar que é imoral. É baseado em lei, mas não considero moral. E pedi licença não remunerada para me candidatar, por não achar justo com o cidadão que paga os nossos salários. Não estou lá na Assembléia, então não tenho o direito de receber o salário”, disse.

Olyntho respondeu à perguntas feitas pelos funcionários das empresas que visitou. A maior parte delas foi sobre soluções para os problemas do trânsito em Araguaína, transporte coletivo e serviços de Saúde. (Adriana Borges)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.