prefeitura de tocantinopolis

O protesto convocado pela Associação Tocantinense dos Municípios (ATM), que inicia nesta segunda-feira, 28 e deve se estender até sexta-feira, 2 de outubro, teve a adesão imediata, apenas da Prefeitura de Tocantinópolis, entre as três maiores da região do Bico do Papagaio. Araguatins e Augustinópolis devem decidir esta manhã se integram ou não o movimento.

A decisão dos prefeitos partiu após a brusca diminuição dos repasses do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e do colapso financeiro ora vivenciado pelas cidades brasileiras.

O prefeito Fabion Gomes destacou que a situação vivenciada pelo município de Tocantinópolis requer muita atenção e principalmente compreensão por parte dos munícipes. “O município de Tocantinópolis, assim como vários outros do Tocantins decidiu aderir a essa paralisação em sinal de protesto contra a diminuição drástica do FPM. Esperamos que o Governo Federal se sensibilize e olhe com mais humildade para os municípios. Como não há alternativas é preciso que haja a contenção de gastos, dessa forma, o município acaba deixando de investir na cidade por falta de recursos, e isso reflete na própria sociedade. Esperamos em Deus que essa crise que se instalou em todo o país seja passageira e que logo saíamos dessa situação. Pedimos a compreensão da população e que possamos juntos lutar por dias melhores para todos nós”, declarou.

Araguatins e Augustinópolis

O secretário municipal de Administração, Josenildo Marques Amado, disse ao webjornal Folha do Bico, na noite deste domingo, 27, que o prefeito Lindomar Madalena (PSB), vai decidir ainda na manhã desta segunda-feira, se a Prefeitura de Araguatins vai ou não participar do movimento. O assessor de Comunicação da Prefeitura de Augustinópolis, Marcos Eduardo, também seguiu na mesma linha e afirmou que a prefeita, Dona Deija (DEM), tomará a decisão na manhã de segunda. (Colaborou Dirceu Leno)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.