operacao

Dezenove pessoas foram presas na noite dessa sexta-feira (18) no Maranhão suspeitas de cometer crime de pedofilia e violência sexual contra crianças e adolescentes, durante a Operação Inocência Roubada iniciada pela Superintendência de Polícia Civil do Interior (SPCI) com objetivo de cumprir mais de 30 mandados de prisões emitidos pela Justiça. As prisões foram cumpridas nos municípios de Rosário, Timon, São João dos Patos, Codó, Pinheiro, Balsas, Itapecuru-Mirim, Pedreiras, Paraibano, Viana, Caxias e Zé Doca.

Foram presos, pelo crime de estupro de vulnerável: Sebastião Santos da Silva, Francisco José Moreira Lima, Antônio Mariano Pinheiro Lisboa, Antônio Cardoso Pereira, Miguel Alves de Sousa, Jailson Lima da Silva, Kerlis Pereira Costa, Carlos Alberto Maciel Sousa, César Moreira, Diomar de Jesus Aroucha Filho, Jean Charles da Silva, Joaquim de Sousa Lima, Amarílio da Silva Assunção e José Ferreira da Silva.

A polícia prendeu, ainda, Jean da Conceição e Thiago Fernandes Abreu Correa, por roubo; Gilberto Soares de Oliveira, por fornecimento de bebida alcoólica a menores; José Oliveira da Silva, por tráfico de drogas, receptação e assalto; Alexandro Farias Feitosa, pelo crime de violência doméstica; Francisco de Assis Carvalho da Silva, autuado na Lei Maria da Penha.

Flagrantes

De acordo com o superintendente de Polícia Civil do Interior, delegado Dicival Gonçalves da Silva, alguns casos foram flagrantes com suspeitos detidos enquanto abusavam dos menores em motéis, bares e pontos de prostituição. Há três meses a polícia investiga os suspeitos. “Mais prisões estão sendo realizadas e esta operação visa reprimir, de forma qualificada, estes crimes”, diz.

O Maranhão, segundo a SPCI, é o quinto do país em crimes de estupro de vulnerável. “É um crime hediondo. A sociedade não aceita este tipo de abordagem às crianças, onde a criança inocente é aliciada e tem sua infância roubada. Quem está levando a criança sabe que está cometendo um crime”, enfatiza.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.