Resize

Servidores da Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Pará (Adepará) e da Secretaria de Estado de Saúde (Sespa) estão desde a manhã desta terça-feira (6), na área do Porto de Vila do Conde e proximidades, em Barcarena. Por volta das 8h, no Complexo do Porto de Vila do Conde, área de responsabilidade da Companhia das Docas do Pará (CDP), ocorreu um acidente com o navio Haidar, que transportava cerca de cinco mil bois. Informações preliminares dizem que a embarcação adernou após uma manobra equivocada e em seguida naufragou.

Os técnicos da Adepará estão no local para prestar apoio com orientações às autoridades competentes e à população, incluindo reuniões conjuntas com as Polícias Militar e Civil, Corpo de Bombeiros, Defesa Civil e Capitania dos Portos. Assim, a Agência também está desenvolvendo ações de fiscalização nas estradas e nos rios, inspecionando casos de furto e transporte de animais.

As equipes de inspeção acompanham os demais órgãos de Segurança Pública. Inclusive, estabeleceu-se um centro de crise da Adepará, coordenado pela diretora de Defesa Animal, Melanie Castro, juntamente com o corpo técnico da Agência, para auxiliar as ações.

A Adepará informa ainda que, em casos de transporte de bovinos vivos, tem o papel de garantir a certificação sanitária dos animais na propriedade de origem até os portos, conforme os códigos sanitários internacionais. Porém, com o ocorrido, imediatamente foram formadas equipes para trabalhar de forma conjunta, inclusive articulando para que os animais recuperados sem vida sejam devidamente incinerados.

A população vem sendo orientada a não adquirir ou consumir carne bovina sem procedência comprovada. Neste sentido, inclusive, equipes de vigilância da Sexta Regional da Sespa, sediada em Barcarena, em conjunto com a Vigilância Sanitária do município, vêm atuando nas comunidades e orientando sobre os riscos do consumo de carne bovina em condições inadequadas.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.