Sem título

16 mil moradores, de três bairros de Parauapebas, no sudeste do estado, estão sem água nas torneiras, porque o reservatório que abastece a cidade está seco. A prefeitura da cidade disponibilizou caminhões-pipa, de um outro reservatório, para levar água aos moradores, mas o abastecimento ainda não foi normalizado.

Na casa da Marina Nascimento roupas, louças e panelas sujas estão se acumulando. Segundo ela há uma semana não tem água na torneira. Para a dona de casa a maior preocupação é conseguir água para beber e cozinhar.

“A gente tá pegando no poço da vizinha. A gente vai lá e ela dá pra gente água, porque eu não tenho como comprar, porque eu estou desempregada e meu esposo também”, afirma.

De acordo com o serviço autônomo de água e esgoto (Saaeb) de Parauapebas, a falta de água atinge cerca de 16 mil moradores de três bairros da cidade, porque o reservatório que fornece os bairros está seco e o lago onde a água era captada também.

O lago foi construído há um ano e meio para atender os moradores da região de Parauapebas, que hoje está sem água. A capacidade de armazenamento é de 300 milhões de litros de água, mas a partir de março deste ano, o nível da represa começou a baixar por conta da estiagem.

O diretor da Saaeb, Sérgio Ferreira pede paciência da população. “Estamos trabalhando para tentar amenizar a situação”, diz.

Para resolver o problema, a prefeitura colocou caminhões-pipa que estão levando água de um outro reservatório da cidade até o reservatório que secou, mas o abastecimento ainda não foi normalizado.

A moradora Francisca Maciel diz que teve que comprar 3 mil litros de água. “Se não tiver dinheiro pra pagar, fica sem água”, conclui.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.