PrefeitosdoInterior620

Na segunda-feira, 26, prefeitos do Bico do Papagaio tentaram ser recebidos pelo governador, Marcelo Miranda (PMDB), para cobrar o repasse em atraso do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais (Fundeb), do transporte escolar e da saúde.

Marcelo Miranda não recebeu o grupo que era composto por Clayton Paulo, de Nazaré e presidente do Consórcio Intermunicipal de Desenvolvimento do Bico do Papagaio (Ambip); Fransérgio Alves, de Riachinho; Evandro, de Palmeiras do Tocantins; Nonato, de Darcinópolis; Carlos Alberto, de Carrasco Bonito e Claudivan Tavares, de São Bento.

O governador do estado pediu que o secretário geral de governo, Herbert Brito Barros (Buti), recebesse os prefeitos, que estavam acompanhados de mais gestores de outras regiões do estado.

Apesar das dificuldades expostas, Herbert Brito disse que a expectativa é começar a regularizar o pagamento do Fundeb a partir de novembro, mas de forma parcelada. Outro compromisso assumido pelo secretário foi o pagamento de todos os valores atrasados do fundo ainda este ano. O débito com os repasses de saúde e transporte escolar, entretanto, ainda estão em negociação.

O prefeito de Nazaré, Clayton Paulo Rodrigues (PTB), afirma que o governo do Tocantins está com débito de R$ 25 milhões referente ao Fundeb, conforme levantamento feito pelos gestores no dia 6 de outubro. A Associação Tocantinense de Municípios (ATM) já acusava em 30 de setembro dívida de R$ 30 milhões, relativas à saúde; e de R$ 12 milhões, no caso do transporte escolar.

O gestor de Riachinho, Fransérgio Alves Rocha citou as dificuldades dos municípios com o atraso dos repasses. O prefeito disse que algumas cidades estão atrasando salários e que as empresas locadoras dos veículos para transporte escolar estão ameaçando impedir o serviço. “Nós só estamos atrás do que é nosso”, acrescentou.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.