IMG-20151026-WA0736

A Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Pará iniciou as investigações para apurar o assassinato de um dos suspeitos de envolvimento na morte do PM Vitor Cezar Pedroso, morto após reagir a uma tentativa de assalto na noite do último domingo (25), em Belém. Jaime Nogueira, de 30 anos, foi baleado durante a ação criminosa e estava internado no Hospital Geral da Unimed quando foi executado na noite de segunda (26). A Corregedoria da Polícia Militar também acompanha as investigações.

Segundo a polícia, era por volta de 21h quando oito homens encapuzados renderam os seguranças do hospital e subiram até o segundo andar, onde estava internado Jaime. Os suspeitos entraram no quarto do paciente e o alvejaram com 13 tiros.

De acordo com o que informaram os funcionários do hospital na manhã desta terça-feira (27), algumas atividades estão suspensas e somente funcionários e parentes de pacientes já internados estão autorizados a entrar no hospital. As pessoas que procuram um novo atendimento estão sendo encaminhadas para outras unidades.

O crime assustou a todos que estavam no hospital. “Minha mãe tem 88 anos, ela está hospitalizada. A moça que cuida dela escutou tudo porque era do lado o apartamento da minha mãe”, conta Emília Gonzalves.

Crime

Jaime estava internado desde domingo (25). Ele havia sido transferido do Pronto Socorro Municipal do Guamá para o hospital particular.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública (Segup), Jaime estava sendo escoltado por dois policiais militares e um agente prisional, que também foram rendidos pelos homens encapuzados.

A polícia acredita em execução. “Ele estava sob proteção, dois policiais militares e um agente prisional permanentemente do lado dele, inclusive na sua execução. Uma execução sumaria, ação rápida, violenta, ousada”, detalha Jeannot Jasen, da Segup.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.