destaque-351391-tucurui

Os prejuízos bilionários causados todos os anos pelos buracos da infraestrutura logística não têm inibido o País de simplesmente deixar paralisadas, há anos, estruturas de transporte que já estão prontas e que poderiam desempenhar um papel fundamental no mapa do escoamento.

As eclusas de Tucuruí, no Pará, foram inauguradas há exatamente cinco anos pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a recém-eleita presidente Dilma Rousseff. Era novembro de 2010. Após R$ 1,6 bilhão de investimentos e anos de construção, estava pronto o empreendimento que abriria o caminho da hidrovia dos rios Araguaia e Tocantins, uma nova rota para baratear e facilitar o transporte de grãos e da indústria do Centro-Oeste do País. Na ocasião, Lula discursou ao lado Dilma e disse que aquela obra era uma “manifestação da sensibilidade política”. Faltou dizer, contudo, que ainda havia muitas pedras no caminho da hidrovia. Mais precisamente, 1,2 milhão de toneladas delas.

Passados cinco anos, as eclusas de Tucuruí permanecem sem uso, por conta de um trecho de 43 km de extensão de pedras que estão no leito do rio e impedem a passagem das embarcações. Nesse tempo, para manter as estruturas em condições operacionais, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), responsável pelo empreendimento, tem desembolsado R$ 3,6 milhões por ano para Eletronorte executar os serviços. Lá se foram, portanto, mais R$ 18 milhões de dinheiro público despejados em uma obra sem utilização. Mas o desperdício não para por aí.

Pelas contas do Dnit, serão necessários mais cinco anos para que as obras do canal do rio Tocantins sejam concluídas e abram espaço para a passagem das embarcações. Ou seja, as eclusas de Tucuruí ficarão pelo menos uma década inteira drenando recursos da União, com suas estruturas completamente subutilizadas. Os números do Dnit falam por si. No último ano, as eclusas foram usadas para transportar 150 mil toneladas de produtos, o que equivale a desprezíveis 0,3% do potencial de 40 milhões de toneladas que estavam previstos para passar pelo canal.

Numa primeira licitação, o Dnit colocou em seu edital que pagaria até R$ 540 milhões para quem se dispusesse a tocar a obra. Depois de aparecer uma proposta vencedora de R$ 390 milhões, técnicos acharam que o valor estava muito abaixo do que previam e resolveram revisar o edital. Acharam um erro básico na composição de custos do projeto e cancelaram a licitação. O valor, depois de corrigido, caiu para R$ 330 milhões.

A abertura mínima do canal, que nos estudos teria 70 metros de largura, teria que, na realidade, ter 145 metros. “Pedimos para a Vale refazer, mas ela discordou. Enviamos para a Universidade do Paraná fazer as correções”, diz Silveira, do Dnit. (DOL, com informações do Estadão)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.