IMG-20151127-WA0924

Um assalto a um carro-forte de uma empresa que transporta valores, na tarde desta sexta-feira, 27, terminou com uma troca de tiros entre os assaltantes e a vigilantes por cerca de 7 km na BR-153. O grupo de cinco homens utilizaram um veículo roubado, uma Range Rover, placa Omx- 8969 de Goiânia-GO, para seguir o carro-forte ao longo da rodovia no sentido Araguaína. Segundo a polícia, perto do município de Nova Olinda, os assaltantes começaram a atirar contra o carro-forte, os vigilantes revidaram.

Quatro vigilantes estavam no carro de transporte de valores. Eles pararam num posto de combustível para se proteger já que estavam ficando sem munição de acordo com a polícia. Os funcionários da empresa responsável pelo carro forte deixaram o veículo e se esconderam numa área de mata. Neste momento, os bandidos utilizaram dinamites para explodir o veículo ainda no pátio do posto.

Eles fugiram depois de perceberem a movimentação da polícia que já tinha sido acionada depois da intensa troca de tiros. Na fuga, os assaltantes ainda roubaram uma camionete de um cliente do local. Os vigilantes não se feriram. “Foi muito tiro. Estavam todos encapuzados, de camisa manga longa. Usaram uma primeira bomba que não explodiu a porta, depois utilizaram outra bomba”, disse uma testemunha que não quis se identificar.

IMG-20151127-WA0923

Além da ação violenta, o que também chamou a atenção foi uma espécie de chapa de aço utilizada pela quadrilha. Eles colocaram uma placa no porta-malas do veículo para servir como proteção contra os tiros. A placa também tinha três pequenas aberturas que serviram como apoio para as armas. O acessório ajudou a quadrilha a disparar contra o carro forte de dentro do veículo.

A polícia segue fazendo buscas na região, mas até o fechamento desta reportagem, ninguém tinha sido preso. O carro usado pela quadrilha foi levado para o pátio da Polícia Rodoviária Federal de Araguaína. (Jornal do Tocantins)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.