1000

Com a proposta de traçar o Diagnóstico Rural Participativo (DRP) das unidades produtivas de agricultores familiares, a Secretaria de Estado do Desenvolvimento da Agricultura e Pecuária (Seagro) dá continuidade às pesquisas que vêm sendo realizadas em comunidades rurais que fazem parte do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF).

De segunda-feira, 9, até domingo, 15, os levantamentos para diagnósticos acontecem nos municípios de Filadélfia e Goiatins, beneficiando 46 famílias de agricultores. O estudo busca levantar as principais demandas das comunidades e servirão de base para implantar ações de melhorias.

As comunidades que serão visitadas nesta semana são: Associação dos Pequenos Produtores Rurais Bom Exemplo, (dias 10 e 11) e Associação Coração do Tocantins (dia 12), ambas localizadas no município de Filadélfia. Já a Associação dos Trabalhadores Rurais Ilha Formosa, em Goiatins, receberá visita para levantamento nos dias 13,14 e 15.

Segundo o superintendente de Agricultura Familiar da Seagro, Romão Gomes Vanderley, a intenção é buscar identificar as necessidades estruturais dos projetos agrícolas em cada comunidade rural e, posteriormente, planejar ações estratégicas de melhorias nestas localidades.  “As principais demandas apontadas pelos agricultores nas visitas às comunidades, se referem à produção, organização social, comercialização dos produtos, educação e acesso às políticas públicas”, disse.

“Realizados os levantamentos e seus respectivos diagnósticos, serão planejadas as ações para revitalizar os projetos agrícolas, promovendo a produção, geração de emprego e renda, além de melhorar a organização dos agricultores familiares”, completou Romão Gomes.

Etapas

A pesquisa foi iniciada em setembro e, até o momento, 10 unidades produtivas do PNCF foram visitadas. Nesta primeira etapa, serão feitos 30 diagnósticos das unidades produtivas, perfazendo um total de 650 famílias beneficiadas.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.