Resize

O governador do Pará, Simão Jatene, e o presidente da Vale, Murilo Ferreira, assinaram nesta quinta-feira (26), no Palácio de Governo, em Belém, protocolo de intenções para a criação do grupo de trabalho que vai discutir e buscar alternativas de projetos e investimentos para a implementação de complexo siderúrgico de Marabá, no sudeste do Estado, levando em consideração o uso dos modais existentes.

O grupo é composto por dez membros e tem como presidente o secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia, Adnan Demachki. Os participantes serão indicados pelo governo do Estado, Vale, Assembleia Legislativa, Federação das Indústrias do Pará (Fiepa), Associação Comercial e Prefeitura de Marabá. O prefeito da cidade, João Salame, também assinou o documento.

Simão Jatene ressaltou a importância do compromisso para o desenvolvimento do Pará. “Tenho a clareza de que a parceria entre o Estado e o setor mineral vai perdurar por muito tempo. É possível aprimorar os projetos e criarmos condições para que eles aconteçam. Nosso crescimento só se concretiza se criarmos a viabilidade e sustentabilidade econômica, e é isso que estamos fazendo. Queremos contribuir para o crescimento do país, mas a partir do nosso próprio desenvolvimento”, afirmou.

O governador destacou ainda que o esforço deverá ser por um desenvolvimento que contemple a melhoria da qualidade de vida da população. “Nas últimas décadas, a economia cresceu, mas a população também, e a evolução deste avanço na economia não resultou em melhorias dos indicadores sociais. A palavra sustentabilidade, na Amazônia, não admite adjetivação. Ela deve ser, ao mesmo tempo, econômica, ambiental e social”, disse.

Sobre o funcionamento do grupo de trabalho, Adnan Demachki destacou que o empenho será por mostrar resultados práticos durante o ano, apresentando alternativas de investimentos que possam viabilizar economicamente a implantação do complexo siderúrgico em Marabá. “Não vamos medir esforços para que possamos viabilizar esse empreendimento tão sonhado em Marabá e levar o desenvolvimento para todo o Estado”, explicou ele, que já convocou a primeira reunião do grupo para o início de dezembro.

Ainda segundo o protocolo assinado, os investimentos no setor mineral devem continuar a trazer benefícios à economia local por meio de agregação de valor à cadeia produtiva, em especial, a geração de emprego e renda. “Acompanhamos e vivemos a história do Pará, um Estado que queremos tão bem. O trabalho será construído nesses próximos meses em relação ao empreendimento e discernimento de alternativas e possibilidades. Esse trabalho veio em um momento especialmente importante, em que nosso país vive uma crise econômica, política e ética, e precisamos ter iniciativas, já que não podemos esperar que as respostas venham do governo central”, disse o presidente da Vale.

Para João Salame, o momento é oportuno para se buscar alternativas viáveis que representem fortalecimento para a economia local. “A prefeitura, como uma das interessadas no projeto, irá participar ativamente da construção da proposta, colaborando no que for preciso para a viabilização“, afirmou. (Lidiane Sousa)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.