Resize

Moradora da comunidade quilombola de Macapazinho, em Santa Izabel do Pará, Sandra Ferreira, 35 anos, abriu um comércio no início do ano. A crise quase fez com que fechasse as portas do estabelecimento, mas a partir de R$ 2 mil de crédito, obtido junto ao Governo do Estado, por meio do programa Credcidadão, a comerciante mudou os planos. “Vou pegar esse dinheiro e investir no meu negócio para que dessa vez ele dê certo”, diz.

Sandra é uma das 14 pessoas da comunidade quilombola de Macapazinho que receberam na tarde desta quarta-feira (18) em Santa Izabel o Credcidadão. No total, foram liberados R$ 21.519, para o estímulo da economia local e a geração de emprego e renda. Pela primeira vez, em oito anos do projeto, o Governo do Estado contemplou um grupo quilombola.

“O Credcidadão, a partir deste ano, quer também beneficiar as minorias. Ontem (terça, 17) demos o crédito bancário a 21 pessoas pertencentes ao movimento LGBT, e hoje (quarta) foi a vez desse grupo de quilombolas. Em dezembro, vamos até a comunidade de Abacatal, também quilombola, no município de Ananindeua, região metropolitana de Belém. Ano que vem, a meta é intensificar o Credcidadão em outras áreas indígenas”, informa a diretora do programa de microcrédito, Tetê Santos.

Resize (1)

Diretor do centro comunitário de Macapazinho, Nerci dos Santos, 53 anos, foi outro beneficiado pela linha de créditos. Assim como a maioria dos quilombolas da localidade, ele trabalha com agricultura familiar. “Essa é uma ação muito importante do governo, porque melhora a nossa produção e garante mais renda para nossas famílias”, afirmou.

Coordenador em exercício do Núcleo de Apoio aos Povos Indígenas, Comunidades Negras e Remanescentes de Quilombolas, do Governo do Estado, Sérgio Fernandes destacou a importância do estímulo à geração de renda entre a comunidade indígena. “Queremos que essa ação sirva de exemplo. Com o fortalecimento do indivíduo, se fortalece também o coletivo”, assinalou. Até o dia 10 de dezembro, o Credcidadão vai estar em mais 25 municípios paraenses, gerando mais de R$ 5 milhões em créditos durante todo o ano de 2015 para a população.

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.