Aquiles da Areia é o pré-candidato de PRB, PTN e PSDC ao Palácio Araguaia

Encerrou no dia 1º de novembro o prazo para os candidatos e partidos políticos prestarem contas à Justiça Eleitoral de toda movimentação financeira e não financeira realizada durante a campanha eleitoral de 2016 para prefeito e vereador.

As informações consolidadas foram enviadas pelo Sistema de Prestações de Contas Eleitorais (SPCE2016), disponibilizado no site do TSE, e entregues em versão física à Justiça Eleitoral.

Em Araguatins, dos quatro candidatos a prefeito, apenas Alday Machado (PMN), deixou de entregar a prestação de contas de sua campanha. O candidato e partidos políticos que não entregaram a prestação de contas final no prazo estipulado pela Justiça Eleitoral serão notificados para prestá-las, sob pena de tê-las julgadas como não prestadas. A não prestação de contas causa punições como a ausência de quitação eleitoral, a pessoa não pode se candidatar, emitir passaporte, tomar posse em concurso público, entre outras consequências.

O prefeito eleito, Cláudio Santana (PMDB), foi o primeiro a entregar a documentação, no dia 27/10. Marcos Eticcam (PSDB) foi o segundo 28/10 e Aquiles da Areia (PRB) o terceiro já dentro do dia limite, 01/11.

Segundo os dados apresentados pelos próprios candidatos e disponíveis para consulta no site da Justiça Eleitoral, a campanha mais cara de Araguatins, em 2016, foi feita por Aquiles da Areia. Ele declarou ter recebido R$ 298.964,22, contratado R$ 296.424,22 em despesa e já pago esse total. A maior despesa de Aquiles foi com pessoal de campanha, R$ 121.400,00; depois locação de veículos R$ 42.400,00 e combustíveis R$ 42.029,40.

A segunda campanha que mais consumiu foi a do prefeito eleito, Cláudio Santana (PMDB), que arrecadou R$ 265.005,83, contratou R$ 255.005,83 e também já quitou os débitos. As despesas principais foram combustíveis R$ 57.641,43; militância R$ 46.400,00 e carro de som R$ 38.600,00.

O tucano Marcos Eticcam, declarou ter angariado R$203.380,14, contratado gastos no valor de R$186.393,64 e já quitado todos os passivos, tendo como maior gasto, combustível R$ 41.990,01, seguido de publicidade por adesivos R$ 32.881,20 e não especificados R$ 29.619,34.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: folhadobico@hotmail.com que iremos analisar.