Dona Genalia Santos Silva, hoje com 78 anos, sofre com a falta do filho
Dona Genalia Santos Silva, hoje com 78 anos, sofre com a falta do filho

Tendo de conviver sem o apoio do marido, já falecido, Genalia Santos Silva, com 78 anos, ainda tenta habituar-se a dor de perder seu filho caçula, a nora e um neto que estava no ventre. Genalina Santos é mãe do cabeleireiro, Nailton Santos Silva (Ney), brutalmente assassinado de forma covarde na noite de 24 de outubro de 2006, dentro de sua própria residência, na Rua Quintino Bocaíuva, no centro de Araguatins, junto com sua esposa, a também cabeleireira, Adriana Fernandes da Rocha, que estava grávida de quase três meses.

Dona Genalina recebeu nossa equipe este final de semana, na residência de seu filho, na cidade de Açailândia-MA, onde mora após o falecimento do marido e aguarda o julgamento dos acusados que acontecerá nesta terça-feira, 29. Ele falou da dor e da tristeza que enfrenta todos os dias, nesses últimos 10 anos. A mãe de Ney disse acreditar na Justiça e agradeceu aos araguatinenses pelo apoio que seu filho sempre teve na cidade. Ela disse ter certeza que o assassinato de Ney, não representa o sentimento dos araguatinenses pelo seu filho.

Veja a entrevista:

1- Conte um pouco sobre como era a relação da senhora com seu filho Ney

Era uma relação de muito amor, porque ele era o caçula dos irmãos homens. Ele era carinhoso, atencioso, obediente comigo e com o pai dele, apesar de eu morar na fazenda e eles sempre na cidade, mas sempre estava na fazendo conosco.

2- Como surgiu a ideia do Ney se mudar para Araguatins e abrir a empresa na cidade?

Quando eles namoravam, a Adriana passou a estudar no colégio agrícola de Araguatins. Ele ia muito visitar ela, aí passou a arrumar os cabelos das amigas dela e consequentemente foi se espalhando a informação que ele era uma bom profissional, a ponto dele chegar a alugar uma cadeira em um salão da cidade. Então eles se casaram, e com o crescimento da clientela, eles acharam por bem fixar residência na cidade e montar o salão de beleza.

3- Quando o Ney já morava em Araguatins vocês se comunicavam com frequência?

Sim com bastante frequência. Estive aí visitando eles várias vezes e ele por sinal me apresentou a cidade e alguns dos amigos e clientes.

4- Sobre o assassinato, como a senhora ficou sabendo da fatalidade e quem lhe deu a noticia?

No dia eu estava na fazenda e um dos meus irmãos foi junto com meu pastor me avisar.

5- Como a senhora se sentiu quando recebeu a notícia do assassinato do Ney e da Adriana?

Terrível, foi a pior notícia que eu e meu marido recebemos em toda minha vida. A dor foi tamanha que pensei que havia enfiado um punhal no meu peito, e foi como tivesse tirado um membro do meu corpo, e por sinal foi arrancado esse pedaço de mim.

6- Como foi para a senhora suportar a dor desses 10 anos, perdendo um filho de forma brutal?

A única explicação é Deus e a minha família que me faz suportar essa dor terrível. Quando penso q esses elementos tiraram a vida do meu filho e de minha nora que para mim era como se fosse uma filha, e quando penso neles penso também no meu neto que já era muito desejado por eles e por todos nós. Eles já tinham até escolhido o nome da criança. Se fosse menino seria Arthur e se fosse menina seria Maria Eduarda.

7- Durante estes 10 anos o que mais deixou a senhora triste com relação ao desenrolar do caso na Justiça?

Sem dúvidas essa demora, pois foi preciso esperar dez anos para esse julgamento e o fato os dois acusados ficarem na cadeia apenas 5 meses e alguns dias. Sei que a condenação desses assassinos não trará meu filho, minha nora e meu neto de volta, mais vai amenizar um pouco essa dor em saber q foi feito justiça. Sem contar que servirá de exemplo, para que pessoas como eles se amedrontem em fazer isso com outras famílias. O que tenho passado é uma dor que nunca desejo para nenhuma mãe.

8- Os dois acusados do crime ficaram soltos durante todo esse tempo. A senhora acredita q será feito justiça na terça-feira?

Creio plenamente na Justiça de Araguatins e acredito que os dois saíram  do julgamento cm a pena máxima. Essa não será uma resposta apenas para mim, mas também para a sociedade de Araguatins. A Polícia fez muito bem a parte dela. Trabalho de forma comprometida, investigou e encontrou provas robustas. Agora só falta a Justiça ser feita.

9- Se a senhora tivesse um dia a oportunidade de estar frente a frente como os dois acusados do assassinato, o q a senhora diria para eles?

Porque tanta crueldade com meu filho e minha nora, só queria entender isso deles. Porque eles eram amados por todos aqui da família e com o pouco de tempo que chegaram aí na cidade, todos, mais todos mesmo, que conheciam, só falavam bem deles. Então fica na minha cabeça essa interrogação, porque essa crueldade com eles? Eles já amavam a cidade e eram um casal sonhador, que só queria crescer como profissionalmente. Que mal tem isso?

10- Deixe uma mensagem para as mães que de alguma forma também já passaram ou passam por uma dor parecida com a da senhora.

Primeiramente buscar em Deus, porque sem essa ajuda nenhuma mãe ou pai consegue suportar essa dor. Sei que nesse momento tem muitos pais passando por isso, buscar ajuda espiritual, procurar a família e os amigos que são muito importante nesse momento. Fale de sua dor, não guarde ela só pra você, porque se não a gente vai parar no fundo do poço.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.