Foi definida nesta segunda-feira (13) a saída da Unimed Centro-Oeste da administração do Plansaúde, plano de saúde dos servidores públicos do Tocantins. A decisão ocorreu durante reunião da comissão de reestruturação do plano em Palmas. O contrato termina no início de 2018 e o governo disse que inicialmente vai contratar uma nova empresa.

“Tínhamos ciência da manifestação da operadora pela não renovação do contrato e o que nos cabe é avaliar as medidas de transição que vamos adotar. Além de continuar trabalhando para reduzir os custos totais do plano e a manutenção do atendimento aos usuários”, disse o secretário de administração Geferson Oliveira Barros.

O contrato com a Unimed Centro-Oeste vence no dia 12 de janeiro de 2018. Segundo o governo do estado, foi a própria empresa que manifestou o interesse em não renovar.

“Inicialmente, vai ter que contratar outra empresa que ajude na operacionalização dos serviços, mas a curto e médio prazo o Estado pode vir a fazer a administração direta do plano. Tudo vai ser discutido dentro das reuniões com a comissão”, disse o secretário.

O Plansaúde passa por dificuldades há vários anos e o atendimento aos usuários chegou a ser suspenso diversas vezes. Além disso, os prestadores de serviço cobram uma dívida de R$ 73 milhões do governo.

Na semana passada, a operação Marcapasso mostrou um esquema de superfaturamento no setor de cardiologia. Depois disso, o governo suspendeu pagamentos de procedimentos cardiológicos.

Porém, segundo o secretário, reuniões para discutir o plano de saúde estavam marcadas antes da operação Marcapasso, da Polícia Federal. O secretário afirmou ainda que até o fim dessa semana o governo deve definir quem assume o Plansaúde. (G1)

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.