Sem título

Donos de loja de Redenção, no sul do estado reclamam do fraco movimento no comércio da cidade. Mesmo na época de Natal, quando a procura costuma ser grande, as vendas continuam baixas. De acordo com o presidente do Sindicato Patronal do comércio, a queda de 30% nas vendas vem sendo registrada desde agosto deste ano e a inadimplência cresceu 20%.

Nas lojas o cenário é de vendedores com os braços cruzados e ninguém comprando. Nem os desconto de 40% na vitrine – raro nessa época do ano – são o suficiente para reverter a situação.

Para Dilmar Souza, contador de loja são muitas as dificuldades. “Já não bastava a queda no faturamento, ainda tivemos que mexer no quadro de pessoal. A gente fica buscando meio, saídas para uma superar essa crise”, diz.

Promoções

Muitas lojas da cidade fazem o que podem para aquecer as vendas. Uma delas oferece parcelamento em 10 vezes, com a primeira parcela para março de 2016, mas ainda assim as facilidades ainda não foram o bastante par atrair a clientela.

O presidente do sindicato do comércio de Redenção, Geraldo Amaro explicou sua estratégia. “A gente tá realmente forçando o desconto para que o cliente procure a nossa loja pra ver se a gente consegue movimentar esse mês de dezembro”, diz.

Inadimplência

Para o trabalhador rural Antônio Machado é precisa criar formas de garantir o pagamento das dívidas atrasadas. “As empresas estão perdoando, liberando os juros pra pegar só o capital pra incentivar, motivar o consumidor a voltar a comprar”, pontua.

Com essa situação, na hora de presentear os amigos alguns consumidores vão apelar para as lembrancinhas. Mas nem todos estão pessimistas, o gerente de loja, João Alves acredita que o movimento pode melhorar. “Este mês de dezembro pra mim já está muito melhor que o mês de novembro. Então, eu tô acreditando que o mês vai ser um mês de surpresa para todo mundo”, afirma.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.