Depois de denúncias de uma série de assassinatos em Anapu, na região da Transamazônica, a Ouvidoria Agrária Nacional chega nesta terça-feira (1º) na cidade. A visita foi agendada a pedido do Ministério Público Federal e o objetivo é investigar e discutir a violência no campo.

A Ouvidoria vai falar com testemunhas e familiares das vítimas de execuções que ocorreram nos últimos meses na cidade. Segundo o MPF, desde julho sete pessoas foram mortas e os crimes têm características de pistolagem.

O desembargador Gercino da Silva Filho, ouvidor agrário nacional, estará acompanhado por procuradores da República de Altamir e pela Polícia Rodoviária Federal. As reuniões da ouvidoria ocorrem na Câmara de Vereadores de Anapu. A comissão segue na quinta-feira (3) para reuniões e audiências na cidade vizinha de Altamira.

Violência em Anapu

De acordo com o MPF, entre julho e outubro de 2015, sete pessoas foram executadas por assassinos com carapuças ou capacetes de viseiras escuras. Todas as mortes ocorreram na área urbana de Anapu mas, para a Comissão Pastoral da Terra, a estratégia de matar na cidade é uma tentativa de disfarçar a motivação agrária dos crimes, que seria o lote 83, uma área de terras públicas disputada por posseiros e grileiros. Ainda segundo a CPT, mais de 30 moradores estariam marcados para morrer.

COMPARTILHE

DEIXE UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.