A Polícia Federal cumpre na manhã desta quinta-feira, 24, 21 mandados judiciais de busca e apreensão no Tocantins, Goiás e Distrito Federal. A Operação Dejavú deflagrada pela PF, Controladoria Geral da União (CGU) e Ministério Público Federal (MPF) busca desarticular uma organização criminosa responsável por desvios de recursos públicos destinados à saúde pública de Araguaína, no Norte do Estado, com um prejuízo estimado de R$ 7 milhões.

Conforme a PF, os mandados foram expedidos pela 2ª Vara Federal de Araguaína e cerca de 90 policiais federais e oito auditores fiscais estão nas ruas nos três estados para cumprimento judiciais. Ao todo, são cumpridos quatro mandados em Araguaína, 10 em Goiânia (GO), cinco em Aparecida de Goiânia (GO) e dois em Brasília (DF).

A investigação começou com apontamentos de uma auditoria feita nos contratos firmados entre uma organização sem fins lucrativos e empresas privadas que prestam serviços às unidades hospitalares municipais.

Isso porque, foi constatado pela CGU que oito dessas empresas possuíam contratos superfaturados e que tinham relação direta ou indireta com os gestores da organização social.

Assim, o esquema acontecia com a participação fraudulenta do grupo que utilizava a organização social em certames públicos para gerenciamento da saúde pública local. Após a fraude nos processos licitatórios, as organizações passavam a contratar de forma direta e sem licitação, empresas ligadas aos seus gestores com contratos superfaturados.

Os nomes dos investigados não foram divulgados, mas eles devem responder por fraude a licitação, organização criminosa, lavagem de dinheiro, peculato, corrupção ativa e passiva. Também foram decretadas medidas cautelares com bloqueio de bens, direitos e valores das pessoas físicas e jurídicas envolvidas.

Nome

O nome da operação faz referência a palavra francesa que significa “Eu já vi”, devido ao esquema criminoso de desvio de recursos públicos da saúde por meio de organizações sociais “já ter sido visto” em outras unidades da federação. (Jornal do Tocantins)

- Publicidade -

FAÇA UM COMENTÁRIO

Atenção: Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do Jornal. Se achar algo que viole ou fira sua honra pessoal, envie para o email: [email protected] que iremos analisar.